Temporada 2019
outubro
s t q q s s d
<outubro>
segterquaquisexsábdom
301 2 3 4 5 6
789 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
212223 24 25 26 27
28293031123
45678910
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
23
out 2016
domingo 16h00 Coro da Osesp
Coro da Osesp: Munakata rege Schubert e outros


Coro da Osesp
Naomi Munakata regente
Fernando Tomimura piano


Programação
Sujeita a
Alterações
Franz SCHUBERT
Hymne an den Unendlichen, D 232
Des Tages Weihe, D 763
Gott ist mein Hirt, D 706
An die Sonne, D 439
Ständchen, D 920
Gott im Ungewitter, D 985
Der Tanz, D 826
Sergei RACHMANINOV
Ave Maria
Edvard GRIEG
Ave Maris Stella
Franz LISZT
Pater Noster
Josef RHEINBERGER
Abendlied, Op.69 nº 3
Camille SAINT-SAËNS
Calme des Nuits, Op.68 nº 1
Max REGER
Nachtlied, Op.138 nº 3
César FRANCK
Hymne
Edward ELGAR
Spanish Serenade, Op.23
INGRESSOS
  R$ 43,50
  DOMINGO 23/OUT/2016 16h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

A natureza como espaço sagrado, no qual o reencontro com as forças vitais se dá, foi um tema caro ao período romântico. Encontros com o eterno e com forças ora indomáveis, ora acolhedoras, que desnudam a fragilidade humana, são experimentados como uma forma de religiosidade que tem na intimidade e no amor sua mais verdadeira expressão. Neste programa, peças compostas nos séculos xix e xx passeiam por textos sacros e poemas cujo foco realça a voz humana, que não apenas canta a natureza, mas também entoa louvores, preces e pedidos ao divino, ao infinito.

 

Mestre absoluto do Lied, Franz Schubert foi também um profícuo criador de canções para diversas formações vocais e de peças corais. Na síntese alcançada entre as práticas vocais desenvolvidas nas tradições sacras e nos espaços sociais (reuniões musicais de amigos com pequenos grupos de cantores, em especial), a natureza ocupa um espaço privilegiado. Seu aspecto exuberante e, por vezes, ameaçador aproxima sua música das telas de seu contemporâneo, o artista alemão Caspar David Friedrich, nas quais a pequenez do homem é evidenciada.

 

Assim, no “Hymne an den Unendlichen” [Hino ao Infinito], ouvimos o texto de Schiller ser trabalhado de forma assertiva, silábica, identificando as poderosas forças da natureza (tempestades, ondas furiosas) com uma expressão musical igualmente enérgica.

 

Gratidão e confiança são expressas em “Des Tages Weihe” [Consagração do Dia], peça encomendada pela Baronesa de Geymüller para celebrar a recuperação de um tal senhor Ritter, que estivera gravemente enfermo. Schubert realça o texto — de poeta anônimo — ao tratar de forma diferente cada uma das três estrofes, alternando os naipes vocais. Sucedem sentimentos de alegria, lembrança do pesar, revelação da suprema bondade e sensação de plenitude e gratidão.

 

“Gott ist mein Hirt” [O Senhor é Meu Pastor], paráfrase do Salmo 23, talvez seja, depois da “Ave Maria”, a oração em forma de música mais conhecida de Schubert. O timbre suave e diáfano das vozes femininas é sustentado por um acompanhamento arpejado, com harmonias estáveis e tranquilas. Procedimentos de word painting [pintura de palavras] podem ser ouvidos e “vistos” em diferentes momentos, tais como na frase “er leitet mich an stillen Bächen” [ele me guia a riachos tranquilos], descrita pelas colcheias articuladas aos pares e um pequeno vocalise ondulado na palavra “Bächen”. Adiante, quando a caminhada pelo vale da morte é aludida, vozes internas cantam o tradicional desenho cromático descendente que transforma o clima de confiança em angústia.

 

Em “An die Sonne” [Ao Sol], a dramaticidade do poema contrapõe a precária condição humana à exuberância de vida que o sol, com sua majestade, derrama sobre a natureza. Intensidades marcadas como forte e figuras rítmicas assertivas contrastam com harmonias e sonoridades mais suaves e sombrias, opondo luz e calor de vida, escuridão e silêncio de morte.

 

No rol dos fenômenos naturais, a noite, no ideário romântico, é a grande companheira dos amantes e das almas sensíveis, confidente dos sentimentos genuínos que não podem ser revelados à luz do dia. Por isso, há tantas serenatas e canções noturnas que cantam a pureza dos sentimentos. “Ständchen” [Serenata], de Schubert, é uma jocosa pièce d’occasion, encomendada para ser um “presente-surpresa” para a noite de aniversário da jovem Louise Gosmar, em 1827, e seria apresentada pelas “amigas cantoras” da aniversariante, se Schubert não a tivesse escrito para mezzo soprano e quatro vozes masculinas. O poema, de seu contemporâneo vienense, o dramaturgo Franz Grillparzer, talvez tenha lhe sugerido o espírito cortês das serenatas masculinas e, como resultado, o delicado diálogo entre timbres feminino e masculino evoca o ambiente de galanterias e diálogos espirituosos. O acompanhamento leve e obsessivo do piano dá o tom de energia jovial ao jogo amoroso.

 

Para exprimir a onipotência de Deus, que se reflete na força terrificante da natureza, em “Gott im Ungewitter” [Deus na Tempestade], Schubert remete-nos à escrita coral cerrada e poderosa dos oratórios de Händel. Fugatos silábicos decididos, motivos rítmicos pontuados, densidade e intensidades fortes, construídos sobre o sério tom de Dó Menor, cedem, no final, a um clima de prece esperançosa e confiante no terno tom de Mi Bemol Maior, com andamento mais tranquilo e textura homofônica.

 

Em “Der Tanz” [A Dança], as alegrias levianas da juventude são cantadas com graciosidade sobre versos de um poeta identificado apenas como Schnitzler. Composto para Irene von Kiesewetter, filha de um mecenas apoiador de Schubert, o alerta sobre a efemeridade da vida e a irreversibilidade do tempo contrasta com a vivacidade da música dançante.

 

Também no âmbito religioso, a noite é um momento musicalmente privilegiado: as agitações externas cessam e dão lugar à introspecção e ao recolhimento espiritual, condição propícia para que o Verbo se transforme em música. A “Ave Maria”, de Sergei Rachmaninov, sexto movimento de sua Vigília Noturna, Op.37, de 1915, tem o místico caráter austero das cantilenas litúrgicas da igreja ortodoxa russa. O espírito suave é sustentando por uma prosódia fluida, e o único momento fortíssimo, a seis vozes, clama: “ora pro nobis” [orai por nós].

 

A recuperação do repertório sacro medieval, marca do século xix, está também em “Ave Maris Stella”, de Edvard Grieg. O popular hino medieval teve seu caráter de oração realçado pelo tratamento harmônico bastante tranquilo, com condução de dissonâncias (apogiaturas, retardos), característica da música renascentista, e pela suavidade das vozes em divisi que deslizam por muitos graus conjuntos.

 

Nas últimas décadas de sua vida, Liszt acentuou sua religiosidade com matizes místicos, e a intensidade dessa espiritualidade pode ser ouvida em seu gigantesco oratório Christus, originalmente para solistas, coro, órgão e orquestra. Com duração aproximada de três horas, estreou sob sua regência em 1873, com um efetivo de trezentos músicos. O “Pater Noster” [Pai Nosso] integra a segunda parte desse oratório, denominada “Após a Epifania”, e tem no cantochão sua matriz melódica. Em clima de meditação, quatro vozes diferentes tecem imitações e procedimentos de escrita coral que conjugam a fluência e a simplicidade do Renascimento com a densidade expressiva do Barroco.

 

Josef Rheinberger, mais conhecido no meio organístico, possui vasta produção vocal sacra. Seu moteto a seis vozes (três masculinas e três femininas) “Abendlied” [Canção Noturna] faz parte da coleção Geistliche Gesänge [Canções Religiosas]. O texto de Lucas (24:29), “Fica conosco, porque já é tarde, e já declinou o dia”, tem tratamento renascentista com imitações polifônicas e métrica de compasso quase ausente para que o canto silábico deslize com intimidade e leveza.

 

O amor pelas “coisas tranquilas” oferecidas pela noite é expresso pela suave estaticidade métrico- -melódica que descreve a “vastidão dos mundos” em “Calme Des Nuits” [Calma Das Noites], de Camille Saint-Saëns. O brilho do sol, nesse ambiente delicado, soa como um ruído incômodo à sensibilidade.

 

Max Reger foi organista, como Rheinberger e Saint-Saëns. Em sua “Nachtlied” [Canção Noturna], para cinco vozes, toma um poema do teólogo do século xvi Petrus Herbert para construir um clima noturno, no qual são evocados a bênção de Deus e a proteção do anjo da guarda. Ainda que as harmonias sejam delicadamente dissonantes e os caminhos resolutivos, inesperados, o tratamento silábico dado ao texto, a suavidade nas intensidades e a métrica fluida resguardam o caráter de oração.

 

Extraído do poema de Jean Racine, “Le Lundi à Laudes”, “Hymne” [Hino], para quatro vozes masculinas, do compositor e também organista César Franck, traz a santificação do tempo da manhã, característico das laudes matutinas. O ardor do sol nascente é o da fé que anima nosso coração; após a tempestade do pecado, vem a paz. Com um acompanhamento pianístico que se aproxima das figurações do órgão, o texto é trabalhado em diferentes intensidades, que vão do pianíssimo (“Verbo, no qual o Altíssimo contempla sua beleza”) ao fortíssimo (“derrama em nossos corações o fogo de teu amor”).

 

A peça que finaliza o programa, “Serenata Espanhola”, de Edward Elgar, composta sobre texto do poeta americano Henry W. Longfellow, traz um rogo para que as estrelas, a lua e o vento não perturbem o sono da amada. Os versos finais de cada estrofe se transformam em delicada canção de ninar, que embala os sonhos da amada.

 

YARA CAZNOK é professora no Departamento de Música da Unesp e autora de Música: Entre o Audível e o Visível (Ed. Unesp, 2004), dentre outros livros.