Temporada 2019
outubro
s t q q s s d
<outubro>
segterquaquisexsábdom
301 2 3 4 5 6
789 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
212223 24 25 26 27
28293031123
45678910
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
30
ago 2016
terça-feira 20h00 Osesp Masp
Osesp Masp: Atmosfera de Sonho


Coro da Osesp
Geoffroy Jourdain regente


Programação
Sujeita a
Alterações

Com a delicadeza do Impressionismo e suas nuances românticas a música se sobrepõe às mudanças que ocorrem no mundo. Aos poucos, os acordes surpreendentes envolvem a todos e a modernidade desejada se mescla à busca de tranquilidade com momentos de apogeu, melancolia e deslumbramento.

Maurice RAVEL
Ballade de la Reine Morte d'Aimer [Arranjo de Vincent Manac'h]
Três Canções
Ma Mère l'Oye: Le Jardin Féerique [Arranjo de Thierry Machuel]
Philippe HERSANT
L'Infinito
Jean-Louis FLORENTZ
Asmara
INGRESSOS
  Entre R$ 25,00 e R$ 50,00
  TERÇA-FEIRA 30/AGO/2016 20h00
Auditório MASP Unilever
São Paulo-SP - Brasil

Avenida Paulista, 1578 – Bela Vista
São Paulo –SP

Notas de Programa

O repertório francês do século xx para coro de câmara a cappella é bastante escasso. Três canções de Debussy, três de Ravel e nada mais muito importante digno de registro, exceto pela obra de Francis Poulenc.

 

É verdade que, na segunda metade do século, por impulso da atuação de Marcel Couraud na Radio France, ocorreu uma importante renovação do interesse pela escrita vocal polifônica, mas destinada sobretudo a pequenos conjuntos vocais em dispositivos essencialmente solísticos. De uns vinte anos para cá, vários coros profissionais de câmara surgiram na França e são órfãos de repertório.

 

As Três Canções de Ravel foram escritas entre 1914 e 1915, quando o compositor aguardava a partida para a guerra. Publicadas em 1916 e cantadas pela primeira vez em outubro de 1917, são um dos últimos testemunhos (em especial, “Três Belos Pássaros do Paraíso”) do mundo que caminharia definitivamente para o horror do conflito mundial. Cabe notar que os poemas, cheios de estranheza, mas também de humor, são do próprio Ravel.

 

Compostos em 1913 e apresentados pela primeira vez no ano seguinte, os Três Poemas de Stéphane Mallarmé destinavam-se originalmente a soprano e pequeno conjunto instrumental. Ravel dizia: “Considero Mallarmé não só o maior poeta francês, como também o único, pois […] exorcizou essa língua, como mágico que era. Libertou os pensamentos alados e os devaneios inconscientes de sua prisão.”

 

Tal como o Pierrô Lunar, de Schoenberg, ou os Três Poemas da Lírica Japonesa, de Stravinsky, que estrearam na mesma ocasião dos Poemas de Ravel, esse ciclo é considerado uma obra vocal fundadora da modernidade. O arranjo para coro de “Suspiro” é de Clytus Gottwald, um dos maiores regentes corais do século xx, com grande participação na cena contemporânea, conhecido hoje em dia por suas hábeis transcrições para coro a cappella.

 

Já a Balada da Rainha Morta de Amar é uma obra de juventude, da época em que Ravel estudava no Conservatório de Paris. Escrita em 1893, é considerada frequentemente a primeira obra significativa do compositor, ainda muito influenciado pelo estilo de Erik Satie.

 

A peça ficou inédita até 1975, dois anos depois do nascimento de Vincent Manac’h, compositor representativo da renovação da arte coral francesa. Manac’h revisita a Balada, orquestrando-a de maneira muito sutil para dois coros: o coro “que ressoa” age sobre o coro principal (ao qual é confiado o texto) como seu reflexo, mais ou menos como o pedal sobre a tábua harmônica de um piano.

 

Philippe Hersant estava trabalhando em L’Infinito, obra inicialmente prevista para conjunto de solistas, quando chegou a notícia da morte de Federico Fellini, em 1993. Seu último filme, A Voz da Lua, estava impregnado da poesia de Giacomo Leopardi (1789-1837), motivo da escolha desse texto magnífico. A ele se somam um prólogo e um epílogo que se valem dos primeiros versos de um hino à lua, também de Leopardi, recitado pelo personagem principal no filme de Fellini.

 

Há alguns anos, sugeri a Philippe Hersant adaptar essa peça para coro de câmara, pois me parecia que as texturas se prestavam mais a isso. L’Infinito estreou em sua nova versão (que substitui a antiga no catálogo do compositor) na interpretação do grupo Les Cris de Paris.

 

Asmarâ, de Jean-Louis Florentz, foi composta e apresentada pela primeira vez em 1992 e é, sem dúvida alguma, a obra mais original de música sacra francesa da segunda metade do século xx. Além de compositor de talento, Florentz é também um etnomusicólogo respeitado, autor de importantes pesquisas no nordeste africano.

 

Asmarâ é um salmo cantado em ge’ez (ou etíope litúrgico). Os cristãos ortodoxos da Etiópia são depositários da liturgia considerada a mais antiga da cristandade (com frequência esquecemos que essa parte do mundo foi evangelizada antes da Europa). Todos os motivos melódicos e rítmicos utilizados aqui por Florentz são extraídos dessa esplêndida tradição.

 

GEOFFROY JOURDAIN. Tradução de Ivone Benedetti.