Temporada 2017
outubro
s t q q s s d
<outubro>
segterquaquisexsábdom
252627282930 1
23 4 5 6 7 8
910 11 12 13 14 15
161718 19 20 21 22
232425 26 27 28 29
303112345
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
11
mai 2017
quinta-feira 21h00 Jacarandá
Temporada Osesp: Volmer e Faust


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Arvo Volmer regente
Isabelle Faust violino


Programação
Sujeita a
Alterações
Erkki-Sven TÜÜR
Le Poids des Vies non Vécues
Jean SIBELIUS
Sinfonia nº 4 em Lá Menor, Op.63
Johannes BRAHMS
Concerto Para Violino em Ré Maior, Op.77
INGRESSOS
  Entre R$ 46,00 e R$ 213,00
  QUINTA-FEIRA 11/MAI/2017 21h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

TÜÜR
Les Poids Des Vies Non Vécues
O Peso de Vidas Não Vividas


O estoniano Erkki-Sven Tüür faz parte de uma geração de compositores que começou na música popular (no caso, o rock experimental), para mais tarde se concentrar na escrita de peças orquestrais e de câmara. Como resultado dessa trajetória, sua obra não se alinha às escolas mais tradicionais da vanguarda europeia, justamente porque aposta no contraste entre diferentes técnicas e materiais: “tonalidade versus atonalidade, ritmos regulares repetitivos versus complexos rítmicos irregulares, meditações tranquilas versus teatralidade explosiva”. (1) Em sua música pode-se encontrar elementos do rock progressivo e do do decafonismo, sonoridades comuns a trilhas sonoras de cinema, clusters e ruídos: “minhas peças são dramas abstratos em forma de som, com personagens e uma cadeia de eventos extremamente dinâmica”. (2) Le Poids Des Vies Non Vécues [O Peso Das Vidas Não Vividas] foi encomendada pela Orquestra Nacional da Bélgica, por ocasião do centenário da Primeira Guerra Mundial, e estreada em Bruxelas pelo maestro Arvo Volmer em fevereiro de 2015.

 

 

SIBELIUS
Sinfonia nº 4 em Lá Menor, Op.63


A Finlândia de Jean Sibelius, localizada do outro lado de um braço do Mar Báltico, dista menos de noventa quilômetros da Estônia de Tüür. Em se tratando de tempo, porém, a distância entre a obra dos dois compositores é muito maior. Apesar de Sibelius ter morrido apenas dois anos antes do nascimento de Tüür, suas últimas três décadas de vida foram tomadas por um longo e torturante silêncio criativo, desencadeado por uma crise que se abateu sobre o compositor depois da Sétima Sinfonia.


Sua Quarta é enigmática. Composta entre 1910 e 1911, inicia com um lento movimento de cerca de dez minutos, numa atmosfera suspensa, à espera de um possível desenlace que, como na vida de Sibelius, jamais se concretizará. As conexões aqui são mais psicológicas do que factuais; a música parece abrir mão dos processos comuns de variação e desenvolvimento dos temas para, dobrando-se sobre si mesma, retratar o estado emocional decorrente das inusitadas combinações de notas.


O segundo movimento, leve nos primeiros minutos, caminha para uma densidade maior, com sons graves e rulos de tímpano, para terminar subitamente com a interrupção do fluxo de um tema que finalmente ganhava força nas cordas. O “Adagio” que se segue é vigoroso e entrecortado. Cheio de idas e vindas, ora preenche amplamente os espaços, ora deixa vastos desertos, com os agudos desatados dos graves profundos. O “Allegro” final parte de Lá Maior, ganha força, enfrenta surpresas, mas não resiste.


“É a música sob ameaça de extinção [...]”, (3) comenta Alex Ross. Nos quinze últimos compassos ouvem-se frases curtas nas cordas com interpolações de pausas. O relevo permanece plano, como nas terras finlandesas. O acorde final é menor.

 

1. Informações disponíveis em: erkkisven.com.

2. Idem.
3. ROSS, Alex. O Resto É Ruído. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 181.

 

 

SERGIO MOLINA é compositor, Doutor em Música pela USP,

coordenador da Pós-Graduação em Canção Popular na FASM (SP)

e professor de Composição no ICG/UEPA de Belém.

 

 


BRAHMS

Concerto Para Violino em Ré Maior, Op.77


Na primavera de 1878, Brahms fez sua primeira viagem à Itália, deixando-se invadir pelo clima ensolarado e pela facilidade melódica do país. No verão, foi para a cidadezinha de Pörtschach, na Áustria, lugar de veraneio perto da fronteira italiana. Era uma das cidades favoritas de Brahms para passar o verão, às margens de um lago cujas águas se colorem de um azul brilhante e profundo, cercado por gramados verdejantes e casinhas pitorescas, sempre com um jardim florido. Nesse lugar calmo e sorridente, Brahms compôs seu Concerto Para Violino, uma obra que irradia felicidade.


Brahms não tinha muita familiaridade com a técnica do violino. Assim, foi seu amigo Joseph Joachim, grande intérprete, quem opinou durante a composição e revisou a obra do ponto de vista técnico. Joachim seria o intérprete da estreia, que ocorreu no dia 1º de janeiro de 1879, em Leipzig.


O primeiro movimento dura mais do que os dois outros reunidos. Abre-se de modo amplo e apaixonado, desenrola-se com uma “serenidade viril”, como escreveu um crítico, serenidade que não é desprovida de energia, e termina com a linha aérea do violino, que paira sobre as pontuações rítmicas da orquestra. Esse movimento prevê uma cadência, que não foi escrita por Brahms. Alguns violinistas célebres, como Leopold Auer e Fritz Kreisler, deixaram suas versões por escrito, mas a mais executada é a do próprio Joachim [Isabelle Faust tocará a cadência composta por Busoni].


O segundo movimento começa por uma melodia destinada ao oboé. O grande virtuose Pablo de Sarasate detestava o Concerto e nunca o interpretou; dizia que o solista era obrigado a permanecer como ouvinte, enquanto o oboé desenrolava a única melodia de toda a obra. Na verdade, trata-se de uma introdução etérea, preparando a entrada do violino, que retoma calorosamente o mesmo tema. Ao longo de todo o movimento, que termina luminoso, o violino dialoga de modo privilegiado com o oboé.


O terceiro movimento incorpora uma melodia de inspiração cigana. Oferece a impressão de uma espontaneidade vibrante e exige virtuosismo do solista. O ritmo é tomado por uma embriaguez dionisíaca, que evoca as Danças Húngaras, do próprio Brahms.

 

JORGE COLI é professor na área de História da Arte

e da Cultura na Unicamp e autor de A Paixão

Segundo a Ópera (Perspectiva, 2003)

 


Leia o ensaio "O Desafio de Interpretar um Grande Mestre", de Isabelle Faust, aqui.