Temporada 2018
agosto
s t q q s s d
<agosto>
segterquaquisexsábdom
30311 2 3 4 5
6 78 9 10 11 12
131415 16 17 18 19
2021 22 23 24 25 26
272829 30 3112
3456789
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
28
jun 2018
quinta-feira 20h30 Pau-Brasil
Temporada Osesp: Alsop, Antonacci e Coro da Osesp
MAIS DATAS 29 jun 18  


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Marin Alsop regente
Anna Caterina Antonacci soprano
Coro da Osesp


Programação
Sujeita a
Alterações
Richard STRAUSS
Don Juan, Op.20
Hector BERLIOZ
A Morte de Cleópatra
Claude DEBUSSY
Clair de Lune [orquestração de André Caplet]
Hector BERLIOZ
A Cativa, Op.12
Maurice RAVEL
Daphnis et Chloé: Suíte nº 2
INGRESSOS
  Entre R$ 50,00 e R$ 222,00
  QUINTA-FEIRA 28/JUN/2018 20h30
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil

Falando de Música
Quem tem ingresso para o concerto da série sinfônica da temporada da Osesp pode chegar antes para ouvir uma aula em que são abordados, de forma descontraída e ilustrativa, aspectos estéticos das obras, biografia dos compositores e outras peculiaridades do programa que será apresentado em seguida.

Horário da palestra: uma hora antes do concerto.

Local: Salão Nobre ou conforme indicação.

Lotação: 250 lugares.

Notas de Programa

RICHARD STRAUSS [1864-1949]
Don Juan, Op.20 [1888-9]
17 MIN


HECTOR BERLIOZ [1803-69]
A Morte de Cleópatra [1829]

ESTÁ FEITO
AH! COMO ESTÃO DISTANTES AQUELES DIAS, TORMENTO DA MINHA MEMÓRIA

MEDITAÇÃO: GRANDES FARAÓS, NOBRES LÁGIDAS
NÃO! NÃO, DE VOSSAS FÚNEBRES MORADAS DEUSES DO NILO

22 MIN


/INTERVALO


CLAUDE DEBUSSY [1862-1918]
Clair de Lune [1890-5]
(ORQUESTRAÇÃO DE ANDRÉ CAPLET, <1925)

5 MIN


HECTOR BERLIOZ [1803-69]
A Cativa, Op.12 [1833–revisão de 1849]

7 MIN


MAURICE RAVEL [1875-1937]

Daphnis et Chloé: Suíte nº 2 [1912]

ALVORECER

PANTOMIMA

DANÇA GERAL

18 MIN

 

 

STRAUSS

Don Juan, Op.20


Todos sabemos como a passagem dos anos muda a nossa percepção sobre o mundo. O caso de Richard Strauss é típico: enquanto para nós, do século XXI, Strauss simboliza o último dos compositores românticos, para muitos de seus contemporâneos ele representava o primeiro dos compositores da modernidade. Sua música está fincada na de seus antecessores ilustres, como Brahms e principalmente Mozart, mas já é impregnada das novas sonoridades de Wagner, Liszt e Berlioz.


Don Juan foi escrita quando Strauss tinha apenas 24 anos e foi seu primeiro sucesso. Baseada em poema de Nikolaus Lenau [1802-50], mostra um Don Juan bem diferente do cínico amoral pintado por Mozart: esse é um homem cansado da busca vã pela perfeição feminina. Desalentado, ele se deixa vencer em duelo e é mortalmente atingido pelo adversário.


O virtuosismo instrumental é uma metáfora perfeita para as habilidades e peripécias de D. Juan; a trompa é a voz do sedutor, sendo reservada ao oboé e ao violino a representação da voz feminina. O poema sinfônico alterna momentos de vigor viril e de enlevo amoroso, com melancólica reflexão e até mesmo resignação diante da morte.

 

 

BERLIOZ

A Morte de Cleópatra


Berlioz tinha 26 anos quando compôs a cantata A Morte de Cleópatra, como um dos requisitos para o famoso Prix de Rome, a distinção musical mais importante de sua época na França. Era a terceira tentativa de sua parte e, no entanto, estava destinada ao fracasso. O júri considerou a obra perturbadora demais, nova demais. Seria apenas no ano seguinte, com A Morte de Sardanapale, que Berlioz viria a conquistar o prêmio, que incluía uma longa estadia na Itália, período que foi fundamental para lhe moldar a carreira e a vida.


O compositor acabaria por destruir sua obra vencedora, que fora composta apenas para agradar os juízes e ele considerava convencional. Todavia, Cleópatra mantém até hoje o viço e a força de caracterização que tanto chocaram os membros do júri em 1829. O texto, obrigatório, era um poema de Pierre-Ange Vieillard [1778-1862], em que Cleópatra opta por se deixar picar por uma cobra para não ser subjugada e humilhada pelos inimigos. A composição de Berlioz, que ousou desafiar os cânones vigentes, espelha o gesto da rainha: ele sabia que a obra seria rejeitada, mas, ainda assim, se recusou a cumprir requisitos dos quais discordava. Depois de ouvir o conselho de um dos juízes, que lhe recomendou que escrevesse música “mais suave”, Berlioz observou, em carta a um amigo: “Se temos que escrever música para confeiteiros e costureiras, por que é que eles nos dão um texto que envolve as paixões da Rainha do Egito e suas solenes meditações diante da morte?”


Em Cleópatra, recitativo e ária se entrelaçam: depois de uma introdução orquestral, a rainha lamenta sua captura por Octaviano, que não se deixa seduzir por ela; no segundo recitativo relevante, Cleópatra se culpa pela derrota e admite que o suicídio é a única opção que lhe resta. O último recitativo retrata o próprio momento da morte e termina silenciosa e tristemente.

 


DEBUSSY

Clair de Lune


Os pintores impressionistas não se interessavam em reproduzir a sólida realidade das coisas, mas sim a maneira pela qual o olho as capturava, com jogos de luz que desfocavam a imagem. Ravel e Debussy se afastaram da linguagem dos grandes sinfonistas alemães e procuraram um estilo francês que refletisse sua própria cultura. A música chamada de "impressionista", sem rejeitar a tonalidade, esfumaça os centros tonais e utiliza escalas inusuais, recriando atmosferas e cores em uma escrita orgânica e fluida.


Clair de Lune, baseada em um poema de Paul Verlaine, é a obra pianística mais conhecida de Debussy. Terceiro — e mais lírico — movimento da Suite Bergamasque, foi orquestrada por vários compositores, dentre os quais seu amigo André Caplet. Sua versão (vencedora do Prix de Rome de 1901) põe em relevo a luminosidade da música de Debussy, explorando timbres com a mesma habilidade de seu colega, um feito considerável. O tema passa de mão em mão entre os naipes da orquestra, com o cuidado que teriam ao manipular uma estatueta de cristal. As harmonias exóticas e complexas delineadas por Debussy mantêm todo o seu sabor e intensidade. A popularidade desse arranjo atesta o talento de Caplet, ele mesmo compositor de muito mérito.

 


BERLIOZ

A Cativa, Op.12


Depois de vencer o cobiçado Prix de Rome, e enquanto usufruía da estadia na Itália a que tinha direito, Berlioz escreveu a inúmeros amigos reclamando da formação dos compositores locais e da ignorância geral do público. Ainda assim, esse período lhe rendeu algumas obras que fizeram furor, entre as quais a sedutora A Cativa, inicialmente concebida como canção com acompanhamento de piano. Posteriormente, o compositor viria a adicionar um cello e, finalmente, compor várias versões orquestrais da peça. No poema de Victor Hugo [1802-1885], uma moça aprisionada lamenta docemente suas circunstâncias atuais e expõe a saudade que sente do passado e de sua terra natal. Exotismos orientalizantes são recriados através de referências musicais à Espanha, com o ritmo de bolero estabelecendo um clima sensual e evocativo. Forma, influência latina, e mesmo figuras rítmicas são mais citações vagas do que literais, o que colabora para a sensação de instabilidade e velada ameaça que perpassa tanto o poema quanto a música.

 


RAVEL

Daphnis et Chloé: Suíte nº 2


O período anterior a guerras é frequentemente propício a certo escapismo por parte dos artistas. Vivendo em época de presságios sombrios e com a sensação iminente de fim dos tempos, eles procuram em sua arte nos transportar para mundos distantes e exóticos, lugares de fartura e encantamento. É o caso do balé encomendado por Diaghilev a Ravel, Daphnis et Chloé, que seria coreografado por Fokine, com cenários e figurinos de Leon Bakst. Foi estrelado por Nijinsky, firmando sua reputação como dançarino de etérea elegância e instigante sensualidade.


A história, baseada em poema grego do século II, relata as aventuras de dois pastores que se valem da arte para conquistar o amor e a sobrevivência. Daphnis conquista um beijo de Chloé em um concurso de dança; Chloé é raptada por piratas, que a obrigam a dançar para seu chefe, Bryaxis. Ao final, os amantes conseguem se reunir graças à interferência do deus Pan.


O balé é dividido em três partes, que se passam em cenários distintos. A primeira apresenta as danças dos pastores no ambiente idílico que os circunda e termina no sequestro de Chloé pelos piratas. A segunda se passa no antro dos piratas, dos quais ela tenta fugir em vão. Pan interfere. A terceira parte mostra os amantes reunidos.


Ravel escreve para um coro e uma orquestra portentosos, mas se preocupa mais em deles extrair timbres especiais do que em criar volume tonitruante; ele usa a variegada paleta das madeiras para solos e os metais nas cenas de danças coletivas, com cordas, às vezes divididas, aumentando ainda mais as possibilidades harmônicas e dando leveza à textura do todo. Apesar de perfeitamente adequada à ação do balé, Daphnis et Chloé se tornou uma das obras-chave da música moderna, adquirindo vida própria como peça de concerto.

 

LAURA RÓNAI é doutora em Música, responsável pela cadeira

de flauta transversal na UNIRIO e professora no programa de Pós-Graduação

em Música. É também diretora da Orquestra Barroca da UNIRIO.

 


Leia o ensaio "Richard Strauss: Sinfonia Alpina", de Malcolm Macdonald, aqui.