PRÓXIMOS CONCERTOS
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 9 em Ré Menor, Op. 125 - Coral: 1º Movimento
Clarice ASSAD
Transição [Encomenda | Estreia Mundial]
Paulo Costa LIMA
Cabinda: Nós Somos Pretos - Abertura Sinfônica, Op. 104: Ô Zaziê
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 9 em Ré Menor, Op. 125 - Coral: 2º Movimento
Clarice ASSAD
Transição: Alegria, Alegria [Encomenda | Estreia Mundial]
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 9 em Ré Menor, Op. 125 - Coral: 3º e 4º Movimentos
Antonín DVORÁK
Concerto Para Violino em Lá Menor, Op.53: Allegro ma non troppo
Johann Sebastian BACH
Sonata para Oboé em Sol Menor, BWV 1030b
Camille SAINT-SAËNS
Sonata para Fagote e Piano em Sol Maior, Op.168
Ludwig van BEETHOVEN
Sonata para Trompa e Piano, Op. 17: Allegro moderato
Felix MENDELSSOHN-BARTHOLDY
Concerto nº 2 Para Violino em Mi Menor, Op.64: Allegro, Molto Appassionato
Henri DUTILLEUX
Sonatina Para Flauta e Piano
Steven FRANK
Variações sobre "Barnacle Bill, o Marinheiro"
Claudio SANTORO
Fantasia Sul América
Toccata (Versa~o de 1954)
Carl NIELSEN
Concerto para Flauta: Allegro moderato
Alexander ARUTIUNIAN
Concerto para Trompete em La´ Bemol Maior [Excertos]
Bernhard KROL
Capriccio da Câmera para Trombone e Sete Instrumentos, Op. 35
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
SEG A SEX – DAS 9h ÀS 18h
07
jun 2018
quinta-feira 20h30 Jacarandá
Temporada Osesp: Langrée e Osborne


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Louis Langrée regente
Steven Osborne piano


Programação
Sujeita a
Alterações
Zoltán KODÁLY
Danças de Galanta
Dmitri SHOSTAKOVICH
Concerto nº 2 Para Piano em Fá Maior, Op.102
Wolfgang Amadeus MOZART
Sinfonia nº 1 em Mi bemol maior, KV 16
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 1 em Dó Maior, Op.21
INGRESSOS
  Entre R$ 50,00 e R$ 222,00
  QUINTA-FEIRA 07/JUN/2018 20h30
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil

Falando de Música
Quem tem ingresso para o concerto da série sinfônica da temporada da Osesp pode chegar antes para ouvir uma aula em que são abordados, de forma descontraída e ilustrativa, aspectos estéticos das obras, biografia dos compositores e outras peculiaridades do programa que será apresentado em seguida.

Horário da palestra: uma hora antes do concerto.

Local: Salão Nobre ou conforme indicação.

Lotação: 250 lugares.

Notas de Programa

 

ZOLTÁN KODÁLY [1882-1967]

Danças de Galanta [1933]

LENTO
ALLEGRETTO MODERATO

ALLEGRO CON MOTO, GRAZIOSO ALLEGRO
ALLEGRO VIVACE

15 MIN

 

DMITRI SHOSTAKOVICH [1906-75]

Concerto nº 2 Para Piano em Fá Maior, Op.102 [1957] 

ALLEGRO

ANDANTE (ATTACCA)
ALLEGRO 

20 MIN


/INTERVALO

 

WOLFGANG AMADEUS MOZART [1756-91]

Sinfonia nº 1 em Mi Bemol Maior, KV 16 [1764]

MOLTO ALLEGRO

ANDANTE

PRESTO

13 MIN


LUDWIG VAN BEETHOVEN [1770-1827]

Sinfonia nº 1 em Dó Maior, Op.21 [1799-1800] /AS NOVE SINFONIAS

ADAGIO MOLTO. ALLEGRO CON BRIO

ANDANTE
MENUETTO
ADAGIO. ALLEGRO MOLTO E VIVACE

26 MIN

 

KODÁLY

Danças de Galanta


Os húngaros devem a Kodály a preservação de muito de sua música folclórica, que ele recolheu e pesquisou durante toda a vida. Ainda assim, é um caso típico de santo de casa que não faz milagre: foi apenas depois do sucesso internacional que suas obras foram aceitas e festejadas em seu próprio país.


Na infância, o compositor morou na região de Galanta, onde o pai trabalhava na via férrea. Lá, sua vida foi permeada pela música tradicional húngara e cigana. A cidade era a sede de uma banda de Verbunkos famosa, cujo líder era o violinista Mihók. Verbunkos é um gênero particular de música: inicialmente usada por bandas austríacas itinerantes como atrativo no recrutamento de jovens que viriam a engrossar as fileiras do exército, acabou por se tornar um gênero autenticamente húngaro.


Uma coletânea de melodias desse tipo, publicada em Viena em torno de 1800, serviu de fonte para o compositor, que escreveu as Danças de Galanta como encomenda para os 80 anos da Sociedade Filarmônica de Budapeste. Na orquestração,entre os inúmeros e encantadores solos para sopros, tem destaque a clarineta, que evoca o som de um dos instrumentos mais característicos da estepe húngara: o tárogató, igualmente uma madeira de palheta única, de som penetrante e anasalado. Como as melodias de Verbunkos, a obra tem uma introdução lenta e sinuosa, improvisatória, que desemboca em danças vigorosas e alegres, às vezes interrompidas pelo canto nostálgico da clarineta, e com a típica acentuação lombarda e as síncopes que imitam a cadência da própria língua magyar.

 

SHOSTAKOVICH

Concerto nº 2 Para Piano em Fá Maior, Op.102


Aos 19 anos, Maxim Shostakovich, um pianista de talento, aluno do Conservatório de Moscou, recebeu do pai, Dmitri, um presente e tanto: um Concerto Para Piano a ser estreado em sua formatura. Talvez pela alegria da ocasião e pela idade de seu jovem solista, o Concerto exibe orquestração delicada, sendo uma das obras mais leves e divertidas do compositor.


O primeiro movimento tem um clima brincalhão e extrovertido, pontuado por bravata militaresca e galhofeira. No segundo, cantabile, inocente e doce, a própria singeleza temática lembra as primeiras incursões na vida amorosa, com ambiguidades rítmicas que dão graça às frases, evitando que fiquem excessivamente lamurientas. O “Allegro” final volta ao clima despreocupado do início, com um humor carinhoso que se revela na citação aos famosos exercícios diários de Charles-Louis Hanon, uma base da técnica de teclado, talvez como um lembrete simpaticamente jocoso ao filho de que o estudo de um instrumento não se encerra com a diplomação do músico.

 

MOZART

Sinfonia nº 1 em Mi Bemol Maior, KV 16


Em 1764, aos oito anos de idade, Mozart fazia grande sucesso se apresentando como criança prodígio em várias capitais da Europa. A Primeira Sinfonia foi composta durante uma dessas viagens de exibição, em Londres, e teve sua estreia um ano depois. Evidencia um talento excepcional para a composição, e também sinaliza um artista antenado, ciente do que fazia sucesso no momento, e do que poderia agradar à plateia. É clara, nela, a influência dos filhos de Bach, particularmente de Johann Christian, conhecido como o “Bach inglês”, que fez grande carreira na capital do Reino Unido. A instrumentação também segue a voga para sinfonias naquele momento, com oboés e trompas, e a distribuição de movimentos, rápido-lento-rápido, era também a mais comum então, com o primeiro movimento em forma-sonata.


O início é baseado num arpejo em posição fundamental, quase um anúncio de intenções: a tonalidade se estabelece da maneira mais direta, simples e óbvia possível. Ainda assim a música, que como era de se esperar não atinge o nível sublime das obras de maturidade do compositor, já mostra várias das qualidades do Mozart adulto: o instinto infalível para inflexões dramáticas, a elegância, a facilidade no tratamento harmônico, o senso de direção sempre claro, e a manipulação de ornamentos tão apurada que eles são sempre mais do que meros enfeites à estrutura, servindo como comentários sobre a própria obra. O “Andante”, mais reflexivo, tem acompanhamento fluido de quiálteras que se estruturam como uma espécie de tapete sobre o qual se desenrolam os motivos que passeiam entre os naipes da orquestra. No “Presto”, de uma vivacidade exemplar, e trazendo de volta o arpejo do “Molto Allegro”, os recursos de dinâmica são muito bem explorados, com passagens que contrapõem violinos solo e tutti orquestral.

 

BEETHOVEN

Sinfonia nº 1 em Dó Maior, Op.21 /AS NOVE SINFONIAS


A Primeira Sinfonia de Beethoven foi dedicada ao Barão van Swieten, um de seus patronos iniciais, homem culto e brilhante que se tornou amigo dos maiores músicos de seu tempo. A Sinfonia pretendia ser uma carta de apresentação para Beethoven, que se aventurava na forma então considerada o passaporte para a maturidade artística de qualquer compositor sério.


Ela segue a praxe no que se refere à forma; é no conteúdo que deixa sua marca. O primeiro movimento já começa de maneira pouco usual, com uma sequência de acordes de dominante normalmente empregada para sinalizar o final de uma peça. Somente depois de um longo trecho de “despedida” é que o movimento finalmente engrena, com o vigor característico do compositor, que explora síncopes, acentos deslocados, e crescendos empolgantes.


O segundo movimento, clássico em forma e espírito, transcorre com elegância mozartiana. O “Menuetto” tão ligeiro que mais parece um scherzo, mistura em igual proporção ansiedade e graça. O “Finale” tem uma introdução lenta, só nos violinos, que parecem estar tateando em busca do tema. Este chega trazendo ímpeto, exuberância e senso de humor dignos de Haydn. Longe de ser incipiente, a Sinfonia nº 1 tem o frescor da juventude, mas mostra toda a solidez de uma obra de maturidade, com recursos de imaginação e técnica já completamente desenvolvidos em um estilo próprio e verdadeiramente espetacular.

 

LAURA RÓNAI é doutora em Música, responsável pela cadeira de flauta

transversal na UNIRIO e professora no programa de Pós-Graduação 

em Música. É também diretora da Orquestra Barroca da UNIRIO.

 


Leia o ensaio "A Era de Beethoven", de Arthur Nestrovski, aqui.