Temporada 2018
outubro
s t q q s s d
<outubro>
segterquaquisexsábdom
24252627282930
123 4 5 6 7
8 910 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24252627 28
2930311234
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
16
abr 2015
quinta-feira 21h00 Carnaúba
Temporada Osesp: Alsop e Kozhukhin


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Marin Alsop regente
Denis Kozhukhin piano


Programação
Sujeita a
Alterações
Paulo Costa LIMA
Cabinda: Nós Somos Pretos, Abertura Sinfônica, Op.104 [encomenda Osesp]
Frédéric CHOPIN
Concerto nº 1 Para Piano em Mi Menor, Op.11
Sergei PROKOFIEV
Sinfonia nº 6 em Mi Bemol Menor, Op.111

bis solista
quinta
Johann Sebastian BACH

Prelúdio em Si Menor [arr. Alexander Silotti]
sexta e sábado
Christoph W. GLUCK

Orfeu e Eurídice: Melodie [arr. Giovanni Sgambati]

INGRESSOS
  Entre R$ 45,00 e R$ 178,00
  QUINTA-FEIRA 16/ABR/2015 21h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

Cabinda: Nós Somos Pretos é um painel auditivo de atitudes que fazem referência à presença negra no Brasil. São atitudes sonoras, musicais, culturais, que deságuam no planejamento das texturas, dos ambientes rítmicos, do desenho expressivo da obra, ou seja, da miríade de pequenos e grandes gestos que compõem uma espécie de “estar no mundo” para a obra em questão.

Não há um fio programático explícito — a trama narrativa é feita a partir da própria vivência sonora, porque música também é discurso. Trata-se, portanto, de um mergulho em diversos imaginários que circulam entre nós — o candomblé de caboclo, a herança queto e banto, as coisas cantadas no sertão —, que remetem aos valores civilizatórios dessa presença negra, sendo o próprio compositor uma testemunha ocular, ou melhor, auditiva, dessa riqueza expressiva. São ciclos rítmicos, ambientes responsoriais, condensações e rarefações, leituras e releituras que não desprezam nada, enfim, convites diversos para mergulhar e refletir sobre esse legado que nos constitui, uma vez que a África civilizou o Brasil.

 

A peça cultiva uma sensação de alegria e de coerência narrativa, embora trabalhe com a ideia subjacente de que “tudo é possível” nesse mergulho. É também invenção ou reinvenção da antropofagia paulista ou baiana, que sempre habitou entre nós.
PAULO COSTA LIMA

 

 

 

Já nas primeiras linhas de seu livro A Geração Romântica, o pianista e historiador americano Charles Rosen observa que a morte de Beethoven, em 1827, abriu espaço não apenas para compositores mais jovens, mas também — o que é mais importante — para “o rápido desenvolvimento de novas tendências estilísticas que já se faziam sentir desde antes e que tinham influenciado a própria música de Beethoven”. O que Rosen afirma sobre a geração que produziu o essencial de sua obra nas décadas de 1830 e 1840 — a de Chopin e Schumann, Liszt e Mendelssohn — talvez possa ser estendido para todo o século XIX musical, que vai da morte do mestre de Viena até, digamos, 1913, ano de concertos escandalosos em Viena e Paris, protagonizados respectivamente por Arnold Schoenberg (1874-1951) e Igor Stravinsky (1882- 1971). De um modo ou de outro, todas essas várias “gerações românticas” tiveram que se esforçar para definir, à sombra do classicismo vienense levado ao apogeu por Beethoven, suas próprias formas e vozes.

 

O Concerto nº 1 Para Piano em Mi Menor, Op.11, de Frédéric Chopin, é uma das peças mais características desse momento da música europeia. Trata-se, na verdade, da segunda obra que o compositor escreveu no gênero, mas foi publicada antes do Concerto em Fá Menor e acabou por tomar precedência na numeração. O Concerto no 1 foi apresentado pela primeira vez em Varsóvia, em 1830, ano em que o compositor deixou a Polônia definitivamente.

 

Nessa criação afinal precoce, Chopin toma distância do concerto clássico para solista e orquestra. Na forma consolidada por Mozart e Beethoven, entre outros, o concerto se articula num verdadeiro diálogo entre o solista — no caso, o piano — e a orquestra, o que espelha e amplifica o diálogo nítido de temas e tonalidades inerente à forma-sonata, que responde pela estrutura dos diversos movimentos. No concerto de Chopin, ao contrário, a orquestra, mesmo mantendo, no primeiro movimento, a função tradicional de expor os temas pela primeira vez, na verdade funciona antes como plataforma e apoio harmônico para o instrumento solista que, este sim, se encarrega dos desenvolvimentos fundamentais.

 

Mais que estabelecer um diálogo, Chopin parece querer que a orquestra empreste realce e definição à voz do piano, a única que se quer realmente ouvir. E essa voz, por sua vez, está menos preocupada em cumprir os rigores da forma-sonata do que em se lançar num movimento de canto contínuo, em traçar uma linha melódica que, sendo complexa, mal dá a impressão de carregar qualquer peso estrutural.

 

Há quem faça juízo menos generoso desse primeiro concerto, lamentando o papel acanhado dos demais instrumentos em comparação com o piano e atribuindo-o à suposta deficiência de Chopin como orquestrador. Seja qual for o grão de verdade que há nessa leitura, ela corre o risco de obscurecer o fato de que, já nesse concerto, nas partes solistas, Chopin mostra-se o mestre da coloratura, do timbre instrumental, que em sua obra passará da categoria de adorno ao centro da composição. Mais uma vez, é Rosen quem melhor define esse aspecto da arte do compositor: em muitas de suas obras mais extensas, Chopin “não opõe tonalidades à maneira da técnica clássica de modulação e prefere usar tonalidades aparentadas para fins colorísticos”. [2010]
SAMUEL TITAN JR. é professor de Teoria Literária e Literatura Comparada na Usp. Tradutor e ensaísta, é membro do conselho editorial das revistas Serrote e Cadernos de Tradução.

 


Os primeiros esboços da Sinfonia no 6 em Mi Bemol Menor, de Prokofiev, datam de junho de 1945, quando o compositor ainda desfrutava do enorme sucesso obtido com sua sinfonia anterior. Muitos consideram a Sexta, completada em fevereiro de 1947, como a melhor incursão de Prokofiev no gênero, graças ao equilíbrio preciso entre a clareza da forma e a intensidade de sentimentos, conferindo à música um caráter meditativo e elegíaco que perdura por toda a audição.

 

É o trombone que nos convida ao “Allegro Moderato” inicial, como se “ouvíssemos o arranhar de uma chave numa fechadura há muito trancada”.1 Essa imagem do crítico Yulian Vaynkop, que agradou muito a Prokofiev, nos leva a um ambiente sonoro sombrio, em que o material melódico é apresentado de forma sucessiva, sem um pleno desenvolvimento temático (o que tanto intrigou os críticos), até retornar ao lento inicial.

 

Segue-se um “Largo”, bastante lírico, em que sopros e cordas são combinados com maestria. O início do “Vivace” final lembra música de balé (a obra é contemporânea das suítes orquestrais extraídas de Cinderela e Romeu e Julieta), em que predominam acordes rítmicos tocados pelo piano. Texturas cada vez mais complexas conduzem a música a um ritmo frenético, e o clímax é pontuado por ameaçadores toques do gongo nos acordes finais.

 

Prokofiev explicou ao seu biógrafo Israel Nestyev que a sinfonia era uma “resposta bastante diferente à guerra”.2 Se sua Sinfonia no 5 dizia respeito à vitória na Grande Guerra Patriótica, uma sinfonia sobre o espírito do Homem, a no 6 trata de assuntos bem mais complexos. “Mesmo nos regozijando com a vitória, cada um de nós tem feridas que jamais cicatrizarão. Alguns perderam um ente querido, outros a própria saúde. Tais coisas jamais devem ser esquecidas.”

 

E havia feridas abertas aos montes. Ao longo dos anos dedicados à composição da obra, Prokofiev viu sua saúde se deteriorar à medida que se tornava um dos bodes expiatórios preferidos da tropa de choque stalinista, que o atacava para mostrar que mesmo um artista de sucesso não tinha prerrogativas de segurança junto às autoridades.

 

Passada a Segunda Guerra, as atenções soviéticas mais uma vez se voltaram para os assuntos internos e a retomada do controle total sobre as atividades cotidianas. Em fevereiro de 1947, o Soviete Supremo decretou que cidadãos soviéticos estavam proibidos de se casar com estrangeiros. Como a lei foi aplicada de forma retroativa, o casamento de Prokofiev com a soprano espanhola Lina Llubera, ocorrido em 1923, foi anulado. Apesar de não viver com Lina desde o início da guerra, o compositor jamais se divorciara da esposa, que ficara com os dois filhos do casal. Estrangeira e oficialmente solteira, a situação ficou ruim para Lina, que buscou alternativas para sair da União Soviética.

 

A estreia da Sinfonia no 6, regida por Evgeny Mravinsky, marcou o início da temporada de 1947-8 da Filarmônica de Leningrado. A peça, aplaudida de pé, foi rotulada como “a demonstração da superioridade da música soviética sobre a música do Ocidente, onde há tempos o sinfonismo acabara num estado de profunda decadência e degeneração”,3 como escreveu o musicólogo Grigory Shneyerson. Foi o último, e breve, triunfo de Prokofiev.

 

Em 10 de fevereiro de 1948, o compositor foi taxado de “formalista” em uma resolução oficial do Partido Comunista. Sua música foi banida das salas de concerto da URSS por ser “inacessível ao povo e de tendências antidemocráticas”. De uma hora para outra, sua Sinfonia no 6 caiu em desgraça, vista como “artificialmente complexa”. No fim do mês, Lina Llubera foi presa por espionagem, após procurar a embaixada norte-americana para tentar enviar dinheiro para sua mãe, que vivia na Catalunha. Lina foi sentenciada a 20 anos de trabalhos forçados num campo de prisioneiros. Os filhos Olieg e Sviatoslav ficaram sob a guarda do Estado, garantindo dessa forma um comportamento exemplar de Prokofiev.


Infelizmente, grandes artistas com ideias próprias nunca agradaram a Stalin.
MARCO AURÉLIO SCARPINELLA BUENO é médico e pesquisador musical, autor de Schnittke: Música Para Todos os Tempos (Algol, 2007) e Círculos de Influência: A Música na União Soviética. Da Revolução Bolchevique às Gerações Pós-Shostakóvitch (Algol, 2010). Idealizou e apresentou as séries Música Soviética: da Revolução Bolchevique ao Fim do Comunismo e A Música no Leste Europeu pela rádio Cultura FM de São Paulo.

 


PROGRAMA
Marin Alsop
regente
Denis Kozhukhin piano


Paulo COSTA LIMA [1954]
Cabinda: Nós Somos Pretos, Abertura Sinfônica, Op.104 [2015]
13 MIN [Encomenda Osesp. Estreia Mundial]

 

Frédéric CHOPIN [1810-49]
Concerto nº 1 Para Piano em Mi Menor, Op.11 [1830]
- Allegro Maestoso
- Romanze: Larghetto
- Rondo: Vivace
39 MIN
______________________________________
Sergei PROKOFIEV [1891-1953]
Sinfonia nº 6 em Mi Bemol Menor, Op.111 [1945-7]
- Allegro Moderato
- Largo
- Vivace
45 MIN