Temporada 2019
junho
s t q q s s d
<junho>
segterquaquisexsábdom
27282930311 2
345 6 7 8 9
10 1112 13 14 15 16
1718 19 20 21 22 23
242526 27 28 29 30
1234567
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
26
mai 2016
quinta-feira 21h00 Pau-Brasil
Osesp: Holliger e Zehetmair


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Heinz Holliger regente
Thomas Zehetmair violino


Programação
Sujeita a
Alterações
Claude DEBUSSY
Khamma [Orquestração de Charles Koechlin]
Henri DUTILLEUX
Métaboles
Béla BARTÓK
Concerto nº 2 Para Violino
INGRESSOS
  Entre R$ 42,00 e R$ 194,00
  QUINTA-FEIRA 26/MAI/2016 21h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

Pesquisador exemplar e gênio da composição, Béla Bartók mergulhou na busca de fontes folclóricas para sua criação, no que de alguma maneira se encaixa o que por vezes se chama de “nacionalismo musical”. Contudo, tinha espírito eminentemente crítico, em oposição às ideologias que fortaleciam as pseudorraízes nacionais para construir uma superioridade violenta e cruel, como a do nazismo. Daí a sagacidade das formulações que podemos encontrar em seus muitos textos de etnomusicologia: “O pesquisador [de música folclórica] deve esforçar-se para esquecer todo sentimento nacional”; “querer se preservar de influências estrangeiras é retroceder” e “a construção de muralhas da China para separar os povos entre si seria evidentemente nociva ao desenvolvimento [da música folclórica]”.

 

Já se notou o clima “folclorístico” do Concerto nº 2 Para Violino, de 1937-8. A peça traz também meditações a respeito dos aportes de Debussy e do dodecafonismo vienense — sobre o segundo tema do “Allegro Non Troppo”, Bartók teria dito que queria mostrar a Schoenberg “que é possível empregar a técnica dos doze sons e permanecer tonal”.

 

O resultado é uma obra que atinge a beleza mais transcendente. Momentos líricos, profundos e melancólicos alternam-se com ritmos que se desencadeiam, ásperos. O Concerto fora encomendado pelo grande violinista Zoltán Székely, amigo e parceiro do compositor. Bartók criou uma partitura de tremenda dificuldade para o solista, colocando em evidência as qualidades do executante. Mas em nenhum momento essas exigências surgem apenas para o brilho do virtuose. Tudo em Bartók é rigor: um homem que, na vida e na arte, recusou sempre todas as concessões. [2009]

 

JORGE COLI é professor na área de história da arte e da cultura na Unicamp e autor de A Paixão Segundo a Ópera (Perspectiva, 2003).