Temporada 2019
junho
s t q q s s d
<junho>
segterquaquisexsábdom
27282930311 2
345 6 7 8 9
10 1112 13 14 15 16
1718 19 20 21 22 23
242526 27 28 29 30
1234567
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
02
jun 2016
quinta-feira 21h00 Carnaúba
Osesp: Zehetmair e Holliger


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Thomas Zehetmair regente
Heinz Holliger oboé


Programação
Sujeita a
Alterações
Franz SCHUBERT
Alfonso e Estrella, D 732: Abertura
Elliott CARTER
Concerto para Oboé
Ludwig van BEETHOVEN
Sinfonia nº 2 em Ré Maior, Op.36
INGRESSOS
  Entre R$ 42,00 e R$ 194,00
  QUINTA-FEIRA 02/JUN/2016 21h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

O compositor Elliott Carter é internacionalmente reconhecido como uma das mais notáveis vozes americanas da música clássica, além de figura de destaque do modernismo nos séculos xx e xxi. Foi aclamado pelo célebre crítico Andrew Porter, da revista The New Yorker, como “o maior poeta musical dos Estados Unidos”, e saudado pelo amigo e compositor Aaron Copland como “um dos mais conceituados criadores artísticos americanos em qualquer área”.

 

Prolífica, a carreira de Carter se estendeu por 75 anos e deixou um legado de mais de 150 peças, que vão da música de câmara a composições orquestrais, passando pela ópera, em obras frequentemente marcadas por graça e humor. Carter recebeu inúmeros prêmios importantes, incluindo o prestigioso Pulitzer em dose dupla: pelo Quarteto de Cordas nº 2, de 1960, e pelo Quarteto de Cordas nº 3, de 1973.

 

Nascido na cidade de Nova York em 11 de dezembro de 1908, desde cedo Elliott Carter foi incentivado a buscar uma carreira na música clássica pelo amigo e mentor Charles Ives. Estudou com os compositores Walter Piston e Gustav Holst na Universidade Howard; mais tarde, viajou a Paris, onde estudou com Nadia Boulanger. Terminado o período na França, retornou aos Estados Unidos e dedicou seu tempo a compor e a lecionar, assumindo cargos no Conservatório Peabody, nas universidades Yale e Cornell e na Juilliard School (Nova York), dentre outras instituições.

 

Segundo Daniel Barenboim, “a música de Carter está sempre de bom humor; é entusiasmada, espirituosa, ousada.” Carter morreu em 5 de novembro de 2012, em sua casa em Nova York, aos 103 anos de idade.

 

Trechos de texto publicado no site www.elliottcarter.com. Tradução de Jayme da Costa Pinto.

 

 

...........................

 

 

As óperas de Schubert são pouco conhecidas e ainda menos interpretadas; no entanto, algumas delas baseiam-se em partituras muito sofisticadas, de grande riqueza melódica, e os libretos não são piores do que os de muitas óperas de sucesso.

 

O libreto de Alfonso e Estrella é de Franz von Schober, que não concebeu um Singspiel,1 mas uma vasta romantische Oper [ópera romântica] em três atos passados na Espanha do século xviii, com um enredo que evoca Como Gostais ou A Tempestade, de Shakespeare. Depois de um golpe, o rei Froila é obrigado a se exilar na floresta com seu filho, Alfonso. O usurpador do trono é Mauregato, pai de Estrella, por quem Alfonso se apaixona. Mas a donzela está prometida para o ardiloso general Adolfo, que tenta armar mais um golpe e tomar o trono para si. A obra, recusada em 1822 por diferentes teatros de Viena, só foi apresentada ao público em 1854, em Weimar, por sugestão de Liszt.

 

A “abertura” começa com acordes solenes e dramáticos, depois dá lugar a um episódio misterioso, logo varrido pela impetuosidade de uma orquestra que, até o fim, se mostra cheia de brilho e ardor. 

 

 

CHRISTIAN WASSELIN é colaborador da revista Opéra e da Radio France, além de autor dos livros Berlioz: Les Deux Ailes de l’Âme (Gallimard, 1989), Berlioz ou le Voyage d’Orphée (Rocher, 2003) e Clara: le Soleil Noir de Robert Schumann (Scali, 2007). Tradução de Ivone Benedetti.

 

1 Singspiel é um tipo de ópera, característico da Alemanha do século xviii, geralmente com tema leve, em que há trechos falados intercalados com números musicais. [N.E.]

 

...........................

 

 

O oboé toca de um extremo a outro deste Concerto, expressando o que Elliott Carter definiu como “estados de espírito altamente inconstantes e caprichosos”. A volubilidade do solista é apoiada por um grupo de quatro violas e um percussionista, enquanto a orquestra principal (também de câmara) “se opõe a essas inconstâncias com uma sequência mais regular de ideias, normalmente mais sérias, por vezes explodindo dramaticamente”.

 

A peça tem movimento único e segue o padrão rápido-lento-rápido, típico do gênero concertante. O solista é desafiado pelo trombone no “movimento lento”, mas não demora para que a graça e a expressividade do oboé voltem a sobressair.

 

Paul Sacher encomendou a obra para ser interpretada por Heinz Holliger, que a estreou à época dos 80 anos do compositor.

 

PAUL GRIFFITHS é autor de A Concise History of Western Music (Cambridge University Press, 2006) e A Música Moderna (Zahar, 1987, tradução de Clóvis Marques), dentre outros livros. Tradução de Jayme da Costa Pinto. 

 

...........................

 

Dizer que Beethoven está no centro do cânone da música de concerto não é somente uma frase de efeito. Ao redor dele, parecem girar passado e futuro, tradição e inovação, alimentando uma visão cíclica, e não linear, da história. Sua Sinfonia nº 2, herdeira intencional de Haydn e Mozart, é também uma premonição de sua própria Nona Sinfonia, tanto pelo contraste quanto pelo dinamismo característicos de um compositor determinado, em suas próprias palavras, “a seguir um novo caminho”.

 

O caráter predominantemente luminoso e até cômico da Sinfonia nº 2 enfraquece a análise simplista da sincronia artístico-biográfica. À época dessa composição, Beethoven confessou a um amigo médico que seus ouvidos zumbiam noite e dia e que ele chegava a evitar o contato social, temendo que seus inimigos percebessem sua perda auditiva. Em 1802, aconselhado a descansar da agitação de Viena, passou uma temporada na aldeia de Heiligenstadt — onde, além de terminar a Sinfonia, escreveu uma carta-testamento a seus irmãos, considerando seriamente o suicídio, que só não se concretizou graças à convicção íntima do valor de sua genialidade musical.

 

Ao estrear em 1803, a Sinfonia nº 2 foi recebida pelos críticos com adjetivos como “colossal”, “difícil” e — definição mais frequente à época — “bizarra” (mal sabiam o que os esperava na Sinfonia nº 3 — Eroica, dois anos mais tarde). Haydn procurou várias vezes realçar o efeito de seus movimentos iniciais com uma introdução lenta; Mozart, na Sinfonia nº 38— Praga, fez o mesmo, com uma textura orquestral bastante elaborada. Mas Beethoven levou esse recurso ao paroxismo, ao carimbar, com força, a carga expressiva da introdução no restante da obra.

 

A potência do ritmo pontuado, o contraste entre desenhos temáticos mais amenos e intervenções ágeis — mas repletas de significado motívico — dos violinos e sopros do “Adagio Molto”, transferem- se, como que por osmose, tanto ao “Allegro Con Brio” inicial quanto ao último movimento. O primeiro tema do “Allegro Con Brio” se presta a desenvolvimentos sequenciais e à construção de alguns picos de intensidade, sem jamais perder a leveza e a propulsão. Já o segundo tema, de caráter marcial, é todo derivado da introdução, e seu desenvolvimento leva a sucessivas “crises”, que abrem espaço a soluções engenhosas. A técnica do encurtamento progressivo das frases, tão característica de Beethoven, garante o engajamento do ouvinte.

 

O “Larghetto” mostra, mais uma vez, a dívida de Beethoven com Haydn, ao fazer uma simples canção percorrer um árduo percurso harmônico — e emocional — à medida que se desenvolve. Mas a diferença também é clara: Beethoven não está interessado nas evocações folclóricas de Haydn ou no sensualismo de Mozart; ele busca, em seus movimentos lentos, retratar o sublime.

 

O terceiro movimento marca outra inovação: temos um “Scherzo: Allegro” — bem mais rápido que o habitual minueto sinfônico — construído sobre um econômico motivo de três notas, o que aumenta a impressão de vigor do todo.

 

O final, “Allegro Molto”, foi o principal alvo da incompreensão de seus contemporâneos. Eles já estavam acostumados às excentricidades de Haydn, mas Beethoven foi ainda mais audacioso. O tema inicial parece uma provocação: três gestos curtos, jocosos e impertinentes, que percorrem uma oitava e meia em dois segundos e seguram a atmosfera de galhofa até o fim, incorporando episódios dramáticos que contrastam com um excesso de energia à beira do absurdo. É Beethoven enfrentando a tragédia pessoal com sua comédia sublime. [2009]

 

FÁBIO ZANON é violonista, professor da Royal Academy of Music de Londres e autor de Villa-Lobos (Coleção “Folha Explica”, Publifolha, 2009). Desde 2013, é o coordenador artístico-pedagógico do Festival de Inverno de Campos do Jordão.