Temporada 2018
abril
s t q q s s d
<abril>
segterquaquisexsábdom
262728293031 1
234 5 6 7 8
9 1011 12 13 14 15
161718 19 20 21 22
232425 26 27 2829
30123456
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
29
out 2017
domingo 11h00 Concertos Matinais
Matinais: Osesp e Stutzmann


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Nathalie Stutzmann regente


Programação
Sujeita a
Alterações
Antonín DVORÁK
Danças Eslavas: Seleção
Sinfonia nº 7 em Ré Menor, Op.70

Este concerto conta com recursos de acessibilidade. Para inscrições e mais informações, clique aqui.

INGRESSOS
  Gratuito
  DOMINGO 29/OUT/2017 11h00
 

Ingressos disponíveis na bilheteria do 1º subsolo da Sala São Paulo a partir da segunda-feira anterior ao concerto, limitados a quatro por pessoa. A partir de cinco ingressos, será cobrado o valor de R$ 2,00 por ingresso, também limitados a quatro por pessoa. Devido à grande procura, recomendamos que verifique se há disponibilidade de ingressos.
20 % dos ingressos são reservados para distribuição no dia do concerto, a partir das 9h30, apenas um ingresso por pessoa. Recomendamos a chegada antecipada.
Informações: T 55 11 3223 3966.

Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil

Notas de Programa

DVORÁK

Sinfonia nº 7 em Ré Menor, Op.70

 

A Sétima Sinfonia, de uma fase anterior ao concerto, 
foi escrita entre o final de 1884 e os primeiros meses de 1885. Aqui a tragicidade é da essência e permeia todo o arco formal, ora iluminando a linha de frente, ora vigiando como sombra ao fundo. A escolha da tonalidade, Ré Menor, reforça tal caráter e propõe imediatamente um diálogo com algumas peças que já à época haviam se consolidado como fundamentais na literatura musical, tais como o Réquiem de Mozart (1791), a Nona de Beethoven (1824) e o Primeiro Concerto Para Piano de Brahms (1858). Este Ré Menor aqui parece muito mais 
o sintoma de uma maturidade consciente de si do que 
de uma prova de enfrentamento. E, nesse sentido, insere com naturalidade a Sétima nessa tradição, como um elo que conecta a música dos mestres do passado às futuras criações no mesmo tom, como, por exemplo, o Réquiem de Fauré (1900) e até mesmo o de Britten (1962).

 

Essas características são facilmente notadas na
 escuta dos segundos iniciais do “Allegro Majestoso”, com a tônica nos contrabaixos e o rulo dos tímpanos que, juntos, emolduram um primeiro esboço de progressão harmônica. O “Poco Adagio”, segundo movimento em Fá Maior, intervém — ao menos no começo — aliviando as tensões, um respiro necessário para reunir energia para outros embates que mais à frente virão. À sua maneira, algo semelhante se dá no “Scherzo”, quando as figuras leves de dança vão pouco a pouco se tornando mais complexas, rumo a uma seção de contraste. No “Allegro” que encerra a peça, o caráter do início e a tonalidade principal são retomados; depois de idas e vindas, desvios e recapitulações, a travessia termina heroicamente, agora em Ré Maior.

 

Assim como no Concerto Para Violoncelo, a estreia da Sétima Sinfonia também se deu em Londres, com o próprio compositor na direção da orquestra, em 22 de abril de 1885.

 

SERGIO MOLINA é compositor, Doutor em Música pela USP,

coordenador da Pós-Graduação em Canção Popular na FASM (SP)

e professor de Composição no ICG/UEPA de Belém.