Temporada 2019
outubro
s t q q s s d
<outubro>
segterquaquisexsábdom
301 2 3 4 5 6
789 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
212223 24 25 26 27
28293031123
45678910
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
11
mai 2018
sexta-feira 20h30 Sapucaia
Temporada Osesp: Alsop e Pahud


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Marin Alsop regente
Emmanuel Pahud flauta


Programação
Sujeita a
Alterações
Wolfgang Amadeus MOZART
A Flauta Mágica, KV 620: Abertura
Robert FOBBES
Fantasia sobre "A Flauta Mágica"
Leonard BERNSTEIN
Halil
Nikolai RIMSKY-KORSAKOV
Sheherazade, Op. 35
INGRESSOS
  Entre R$ 50,00 e R$ 222,00
  SEXTA-FEIRA 11/MAI/2018 20h30
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil

Falando de Música
Quem tem ingresso para o concerto da série sinfônica da temporada da Osesp pode chegar antes para ouvir uma aula em que são abordados, de forma descontraída e ilustrativa, aspectos estéticos das obras, biografia dos compositores e outras peculiaridades do programa que será apresentado em seguida.

Horário da palestra: uma hora antes do concerto.

Local: Salão Nobre ou conforme indicação.

Lotação: 250 lugares.

Notas de Programa

WOLFGANG AMADEUS MOZART [1756-91]

A Flauta Mágica, KV 620: Abertura [1791]
7 MIN


ROBERT FOBBES [1939]
Fantasia Sobre A Flauta Mágica [1985]

13 MIN


LEONARD BERNSTEIN [1918-90]

Halil [1981]
16 MIN


/INTERVALO


NIKOLAI RIMSKY-KORSAKOV [1844-1908]

Sheherazade, Op.35 [1888]

O MAR E O NAVIO DE SIMBAD
A NARRATIVA DO PRÍNCIPE KALANDAR
O JOVEM PRÍNCIPE E A JOVEM PRINCESA

A FESTA EM BAGDÁ. O MAR. NAUFRÁGIO DO NAVIO NAS ROCHAS.

42 MIN

 

 

O programa de hoje propõe uma viagem pelo Oriente, cheia de sortilégios e perigos: o Egito imaginário d’A Flauta Mágica, o Oriente Médio moderno e belicoso de Halil, a Pérsia encantada das Mil e Uma Noites.


MOZART

A Flauta Mágica, KV 620: Abertura


Em A Flauta Mágica, a mais deliciosamente “nonsense” das óperas de Mozart, a história de dois casais, um nobre e um plebeu, é narrada como conto de fadas. A flauta é o talismã que permite ao príncipe Tamino e sua amada Pamina passarem pelas provas do fogo e da água sem sofrerem qualquer consequência funesta. Muito já se falou sobre a antipatia que Mozart nutria pelo instrumento, mas a beleza dos solos que povoam a última ópera do mestre austríaco parece provar o contrário. É a flauta que sobrevoa todas as paisagens, e que conduz o herói (e o público) por terrenos minados.


A ópera se tornou célebre por reunir, em doses perfeitamente equilibradas, comédia, romance, aventura, intriga, suspense e conselhos edificantes. Na “Abertura”, que concentra todas essas qualidades em música borbulhante, sobressai também a simbologia maçônica. O número 3, eivado de significados místicos para os maçons, é evocado nos acordes dos metais do início e do meio da Abertura, e a tonalidade de Mi Bemol Maior neles estabelecida, com seus três bemóis na armadura de clave, enfatiza ainda a habitual conexão retórica com a divindade (um bemol para cada um: o Pai, o Filho e o Espírito Santo) e a relação com os ideais maçônicos de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, assim como os três pilares de sua filosofia: Sabedoria, Força e Beleza.

 


FOBBES

Fantasia Sobre A Flauta Mágica


A Fantasia Sobre A Flauta Mágica, do maestro e compositor belga Robert Janssens, foi escrita como presente de aniversário para o flautista Marc Grauwels, seguindo a tradição das variações sobre temas de ópera, que foram extremamente populares no século XIX. Constitui uma vitrine para o flautista, ao selecionar todos os temas que o instrumento apresenta na ópera de Mozart para expandi-los e desenvolvê-los em variações ora líricas, ora virtuosísticas, que respeitam o estilo e a linguagem clássica do original. Um dado curioso sobre esta obra: como foi uma surpresa para o amigo, Janssens deixou a partitura na sua caixa de correio sob o nome fictício de Robert Fobbes. Foi sob esse pseudônimo que se tornou conhecida e acabou gravada por três flautistas diferentes.

 


BERNSTEIN

Halil


A Guerra do Yom Kippur, que em 1973 opôs uma coalização de Estados Árabes liderados por Egito e Síria contra Israel, teve quase 3.000 baixas israelenses. Uma dessas foi o talentoso flautista Yadin Tannenbaum, morto aos 19 anos no Canal de Suez. Halil (flauta, em hebraico) foi composta 8 anos depois, em sua memória. Bernstein era entusiasmado defensor de Israel, e um dos esteios da vida musical desse país, tendo sido grande incentivador da carreira de vários jovens músicos. Na página de rosto, ele esclarece: “Essa obra é dedicada ao espírito de Yadin e de seus irmãos que tombaram [...] Halil é formalmente diferente de qualquer obra escrita por mim, mas se assemelha a grande parte da minha música em sua luta entre forças tonais e não tonais. Nesse caso, eu sinto essa luta como envolvendo as guerras e as ameaças de guerra, o desejo avassalador de viver, o consolo da arte, amor e a esperança de paz. É uma espécie de Noturno, que, a partir da abertura dodecafônica até sua cadência final ambiguamente diatônica, é um contínuo conflito de imagens noturnas: sonhos imbuídos de desejos, pesadelos, repouso, insônia, terrores noturnos e o sono em si, irmão gêmeo da morte. Nunca conheci Yadin Tannenbaum, mas conheço seu espírito”.


A obra confronta a sonoridade da flauta solista, com toda a sua força elegíaca, a um implacável naipe de percussão. O piccolo e a flauta alto, no grupo orquestral, são como ecos distantes da voz do soldado sacrificado. O contraste entre o lirismo estabilizador da flauta e a agressividade pugnaz do grupo instrumental, assim como o conflito constante entre tonalidade e atonalidade, em que os dois sistemas alternam a função de âncora, simbolizam a brutalidade e a dor da guerra. Previsivelmente, no final, a voz da flauta é silenciada.

 


RIMSKY-KORSAKOV

Sheherazade, Op.35


A composição mais famosa do russo Nikolai Rimsky-Korsakov foi inspirada pela coleção As Mil e Uma Noites, que enfileira lendas e contos populares da Ásia e do Oriente Médio. Nesse livro famosíssimo, o sultão Shahryar, enlouquecido pela traição da primeira esposa, decide ter uma mulher a cada noite e matá-la na manhã seguinte. Ele só não contava com a esperteza de uma das noivas, Sheherazade. Antes de adormecerem, ela sugere ao soberano que escute uma história que irá embalar seus sonhos. Essa se completa apenas no dia seguinte, quando é emendada em outra, e depois mais outra. Ao cabo das mil e uma noites do título, Shahryar está completamente seduzido pela narrativa e pela esposa, e desiste de seu intento sinistro.


A Suíte Sinfônica de Rimsky-Korsakov evidentemente não pretende retratar essa longa e complexa trajetória passo a passo, mas sim se inspirar livremente nos ambientes e ideias da obra literária. Foi de um amigo do compositor o conselho de dar títulos para cada movimento, sugestão que Rimsky-Korsakov de início acatou, mas da qual viria a se arrepender, por achar que direcionavam excessivamente a imaginação do ouvinte. Depois da morte de Rimsky-Korsakov, a música serviu de base para um dos balés mais importantes do século passado, coreografado por Fokine e estrelado por Nijinsky.


Na Suíte Sinfônica, vários personagens, situações e elementos naturais se revelam musicalmente, como as ondas do mar, a dança dos dervixes, os metais que conclamam o povo para a guerra, as tempestades, a bonança, a fúria dos mares, as árvores e os pássaros. Os temas do Sultão — viril e brutal — e de Sheherazade — uma insinuante melodia de violino — são recorrentes, e no final da obra aparecem na mesma tonalidade e entrelaçados, uma maneira simples e efetiva de indicar o final feliz pelo qual todos torciam.

 

LAURA RÓNAI é doutora em música, responsável pela cadeira de

flauta transversal na UNIRIO e professora no programa de Pós-Graduação

em Música. É também diretora da Orquestra Barroca da UNIRIO.

 


Leia a entrevista com Emmanuel Pahud, realizada por Renato Roschel e flautistas da Osesp, aqui.