Temporada 2019
setembro
s t q q s s d
<setembro>
segterquaquisexsábdom
262728293031 1
23 4 5 6 7 8
91011 12 13 14 15
161718192021 22
2324 25 26 27 28 29
30123456
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
ENSAIOS
Entrevista: Marlos Nobre, 80 | Ativo e consagrado
Autor:Claudia Morales
14/mar/2019

Aos 21 anos, Marlos Nobre foi considerado pelo jornal O Globo “uma estrela a quem parece ter Villa-Lobos entregue o cetro da criação musical do Brasil”. Aos 68, foi saudado como o maior compositor vivo da América Ibérica ao receber o VI Prêmio Ibero-Americano Tomás Luis de Victoria, na Espanha. Em homenagem aos 80 anos de Marlos, a Osesp apresenta uma composição inédita feita especialmente para este fim no âmbito do projeto "SP-LX Nova Música".


Sua relação com a Osesp é antiga. Muitas de suas obras orquestrais já foram tocadas pela sinfônica. Como o senhor recebeu a encomenda do "Concerto Para Violoncelo", em celebração aos seus 80 anos?


Recebi, naturalmente, com imenso prazer e alegria essa encomenda da Osesp que, desta vez, abrange um pool de outras quatro orquestras para a estreia mundial do meu Concerto Para Violoncelo, que escrevo agora. É, segundo informação do querido Arthur Nestrovski, um dos dínamos da Osesp, a primeira vez que se faz uma encomenda com tal amplitude por aqui, e isso multiplica a sua dimensão. Também a participação de Antonio Meneses, um dos maiores violoncelistas do mundo da atualidade e querido amigo, completa a proporção dessa encomenda.


Qual é a sua lembrança musical mais antiga? O que o fez optar, definitivamente, pela carreira musical?


O Carnaval do Recife, o desfile das agremiações carnavalescas do Frevo, do Maracatu, dos Caboclinhos, que ocorriam diante da porta da minha casa, no bairro de São José. Foi uma coisa extraordinária e uma grande sorte. Eu escutava e via tudo inebriado; corria para dançar, para me misturar com a massa de foliões, desde os 4 anos de idade. Nos desfiles, o que mais me impressionava era o Maracatu... uma espécie de terror/pânico misturado com fascinação, ao ver e ouvir as batidas violentas desse estilo, marcou para sempre a minha primeira formação. Foi fundamental. A rítmica forte do Carnaval do Recife criou em minha mente o fundamento rítmico de minha música, que eu escreveria depois e, praticamente, até hoje.


Sua obra mistura o regional ao universal, o clássico ao moderno, numa vertente que dialoga com grandes nomes do século passado, mas com acento inconfundivelmente pessoal. Hoje, como o senhor se defi niria musicalmente?

 

A palavra e a definição que gosto de usar é Pluralidade, em seu sentido mais amplo. Minha mente, tal como uma esponja, foi absorvendo desde muito cedo as impressões musicais mais diversas. Depois do maracatu e do frevo do Carnaval do Recife vieram as impressões das primeiras escutas da música moderna. Gostaria de salientar que isso foi mais forte do que a música dos períodos clássico e romântico; eu fui direto para a modernidade de Stravinsky, Ravel, Debussy, Prokofiev, Hindemith, pois eram meus ídolos. Eu ouvia, com a partitura em mãos, tudo o que estava nos discos da Biblioteca Municipal do Recife. Todas as tardes, dos 14 aos 19 anos eu, sempre que podia, ia lá ouvir todo o acervo da biblioteca. A fascinação maior foi quando pude ouvir A Sagração da Primavera. Naquela época, as peças maiores eram gravadas em dois, quatro ou mais LPs, e eu tinha que imaginar a linha geral da música. Creio que isso teve uma importância enorme em minha formação musical, pois, sem querer, eu elaborava a sequência, em seu todo, de todas as peças. Portanto se posso definir meu estilo de uma maneira muito genérica, mas verdadeira, é como Pluralismo Técnico e Estético. Não me importam os modismos, a gente descobre como tudo isso é vão, inútil. Os extremismos e as modas são a morte da criatividade, a meu ver. As modas estéticas, e até mesmo os charlatães, passam. Houve uma época em que não ser compositor serial era a morte estética. Houve uma verdadeira caça às bruxas, sobretudo no sectarismo de Boulez e seus fanáticos seguidores. Quem não era compositor serial estava, segundo eles, destinado à fossa musical. O tempo provou que esse sectarismo estava errado.


A Orquestra Sinfônica do Recife tem praticamente a sua idade. O senhor começou a frequentar os concertos da OSR no Teatro de Santa Isabel aos 12 anos, e, em 2013, foi nomeado seu Regente Titular. Em 2018, a OSR foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial da capital pernambucana. O que o senhor poderia nos dizer sobre essa longa e renovada experiência com a Orquestra Sinfônica do Recife?


Tudo que acontece na minha vida acontece sem qualquer planejamento, é como se certas coisas fundamentais tivessem mesmo que ser. Assim foi com a minha nomeação em 2013, como regente titular da Orquestra Sinfônica do Recife. Isso era algo totalmente fora dos meus planos e projetos. Minha forte ligação sentimental e musical com a OSR, desde os meus 12 anos, quando comecei a frequentar os concertos, creio que tem muito a ver com o que aconteceu. Fui, de repente, convidado pelo prefeito, Geraldo Júlio, e pela secretária de cultura do Recife, Leda Alves, para reger a OSR. Aceitei o convite apenas para dar um rumo à orquestra, que sofria pelo abandono de anos de maus-tratos, tanto na parte musical como funcional. E acabou dando certo. Consegui levantar o moral da orquestra, fizemos ciclos que a OSR jamais havia feito. Executamos todas as sinfonias dos grandes mestres, desde Mozart, Beethoven, Mendelssohn, Schumann até compositores contemporâneos. Nossos concertos estavam sempre com lotação esgotada e o moral dos músicos, evidentemente, logo se reergueu. Esta experiência foi e continua sendo um caminho fértil, pois o fato de reger tantos concertos com tantas obras é, para mim, um imenso estímulo musical e, para os músicos, um desafio. A OSR é a orquestra mais antiga do Brasil, hoje com seus 88 anos de atividade ininterrupta e, ao ser declarada Patrimônio Cultural Imaterial do Recife, conseguimos que seja agora indestrutível. No momento, o processo é de solidifi car o que já conseguimos e projetar a Orquestra Sinfônica do Recife para o futuro.


Como o senhor avalia o momento para a cultura em geral e a música clássica, em particular, no Brasil?


Eu sou um otimista inveterado, mas um otimista realista, com os pés no chão. Acho que, infelizmente, a música clássica, os compositores em geral eram — e praticamente sempre foram — alijados de grandes projetos com apoio cultural. Espero que isso tenha fim.


Entrevista a Claudia Morales


CRONOLOGIA

 

|1939 |
Nasce em Recife, Pernambuco.

 


| 1943 |
Começa a estudar piano com sua prima Nysia Nobre, professora respeitada. Filho de violonista amador, frequenta saraus dominicais com o pai.

 


| 1956 |
Conclui os estudos no Conservatório Pernambucano de Música.

 


| 1958 |
Conclui os estudos no Instituto Ernani Braga, onde aprende harmonia e contraponto com o musicólogo e padre Jaime Diniz, que o incentiva a compor.

 

Interessa-se por entender o desprestígio da música popular frente à música erudita e descobre os escritos de Mário de Andrade e as composições de Villa-Lobos e Ernesto Nazareth. Tem acesso a amplo acervo de música contemporânea europeia.

 

Destrói todas as composições do período de formação, com exceção de Concertino Para Piano e Orquestra de Cordas.

 

Vence o concurso para solista de piano da Orquestra Sinfônica do Recife.

 


| 1959 |
Lança-se como compositor com Concertino, Op.1, recebendo menção honrosa no I Concurso Música e Músicos do Brasil, da Rádio MEC.

 


| 1960 |
Trio Para Piano, Violino e Viola, Op.4 fica em primeiro lugar no II Concurso Música e Músicos do Brasil. A crítica o considera o sucessor de Villa-Lobos.

 

Estuda composição com Hans-Joachim Koellreutter, em Teresópolis.

 


| 1961 |
Em São Paulo, torna-se aluno de Camargo Guarnieri.

O contato com as duas maiores estrelas das duas correntes estéticas opostas e dominantes (vanguardista/universalista versus nacionalista) estimula no jovem compositor o desejo de desenvolver uma linguagem pessoal.

 


| 1963-4 |
Como bolsista da Fundação Rockefeller, aperfeiçoa-se com Alberto Ginastera, Olivier Messiaen, Aaron Copland, Riccardo Malipiero, Bruno Maderna e Luigi Dallapiccola no Instituto Torcuato Di Tella (CLAEM), em Buenos Aires.

 


| 1966 |
A obra Ukrinmakrinkrin é vencedora na Tribuna Internacional dos Compositores (UNESCO). Outras composições de Nobre vencem novamente em 1968 e 1970.

 


| 1967 |
Apresenta-se nos principais festivais e instituições norte-americanos, a convite do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

 


| 1969 |
Como bolsista do Berkshire Music Center (Tanglewood, EUA) trabalha com Alexander Goehr e Günter Schüller, e conhece Leonard Bernstein. No fim do mesmo ano, estuda música eletrônica com Vladimir Ussachevsky em Nova York.

 

Assina a trilha sonora do filme O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, de Glauber Rocha.

 


| 1971-6 |
Torna-se Diretor Musical da Rádio MEC, da Orquestra Sinfônica Nacional e do programa “Concertos para a Juventude”, realizado pela Rede Globo.

 


| 1976-9 |
Primeiro diretor do Instituto Nacional de Música da Funarte.

Passa a compor com frequência para importantes orquestras e instituições europeias e americanas.

 


| 1980 |
Compositor residente na Brahms-Haus, em Baden-Baden (Alemanha).

 


| 1981 |
Nomeado vice-presidente do Conselho Internacional de Música da UNESCO. Professor-visitante da Universidade de Indiana (EUA).

 


| 1982 |
Eleito para a Academia Brasileira de Música, ocupando a cadeira nº 1.

Convidado para o programa Deutscher Akademischer Austauschdfienst (DAAD), em Berlim, como compositor-residente.

 


| 1985 |
Compositor-residente em Nova York com a bolsa Guggenheim.

Eleito, por unanimidade, presidente do Conselho Internacional de Música da UNESCO.

 


| 1986 |
Assume a presidência da Academia Brasileira de Música (ABM).

 


| 1989 |
É condecorado como Oficial na Ordem de Rio Branco (Itamaraty).

 


| 1990 |
Torna-se o primeiro brasileiro a reger a Royal Philharmonic Orchestra, de Londres.

 


| 1992 |
É professor-visitante da Universidade de Yale. Passa a ser convidado por outras universidades americanas e pela conceituada Juilliard School, de Nova York.

 


| 1994 |
Recebe, na França, o título de Offi cier dans l’Ordre des Arts et des Lettres.

 


| 1995 |
Lança CD com obras orquestrais, vocais e camerísticas pelo selo suíço Léman.

 


| 2000 |
Ganha a medalha Thomas Hart Benton da Indiana University e o título de professor honorário da Texas Christian University.

 


| 2006 |
Saudado como o maior compositor vivo do continente ibero-americano ao receber o VI Prêmio Ibero-Americano Tomás Luis de Victoria, na Espanha.

 


| 2010 |
Recebe o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Pernambuco.

 


| 2013 |
Torna-se regente titular e diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Recife, a mais antiga orquestra em atividade ininterrupta do Brasil.

 

Escreve Sacre du Sacre, sob encomenda da Osesp, em comemoração ao centenário de A Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky.

 


| 2016 |
Kabbalah (2004), com a Osesp regida por Marin Alsop, é apresentada no Festival de Lucerna e no Festival BBC Proms, onde é aplaudida por mais de seis mil pessoas.

 


| 2019 |
Estreia mundial do Concerto Para Violoncelo na Sala São Paulo, no âmbito do projeto SP-LX Nova Música, em celebração aos 80 anos do compositor. Encomenda da Osesp, num consórcio inédito de orquestras, a obra será tocada posteriormente em Belo Horizonte (pela Filarmônica de Minas Gerais), Goiânia (pela Filarmônica de Goiás), Rio de Janeiro (Petrobras Sinfônica) e ainda Lisboa (pela Orquestra Gulbenkian), com o violoncelista Antonio Meneses em todas as apresentações.

 


GRAVAÇÕES RECOMENDADAS


POEMA (obra completa — até 2012 — de Marlos Nobre para violoncelo)
Leonardo Altino, violoncelo
CD independente, 2012
Pode ser ouvido e baixado em: virtuosi.com.br/poema/.


Marlos Nobre: Piano Music
Clelia Iruzun, piano
Lorelt, 2013


Yanomami — Music For Choir and Guitar
Coro Cervantes
Fabio Zanon, violão
Signum Classics, 2009


Nobre: Orchestral, Vocal and Chamber Works
Godoy, Moura Castro et al.
Musica Nova Philharmonia
Musica Nova Ensemble
Ensemble Percussion de Genève
Marlos Nobre, regente
Léman Classics, 1995


International Rostrum of Composers 1955-1999
(Biosfera, 1970. Orquestra de Câmara da Rádio MEC)
Q-Disc, 2000
6 CDs compilados pela Fundação Donemus (Holanda) e pelo International Music Council (IMC) para a Tribuna Internacional de Compositores (IRC) 2000.

 

 

Foto: Marlos Nobre. Crédito: Maria Luiza Nobre.