Temporada 2017
setembro
s t q q s s d
<setembro>
segterquaquisexsábdom
28293031 1 2 3
456789 10
11 1213 14 15 16 17
181920 21 22 23 24
252627 28 29 301
2345678
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
Temporada Osesp 2017
A Temporada de concertos da Osesp na Sala São Paulo oferece programas sinfônicos, divididos em séries com nomes de árvores brasileiras e que contemplam o repertório tradicional de orquestras, composições pouco conhecidas ou mesmo inéditas, além de obras de compositores brasileiros. Salvo exceções, esses programas são apresentados às quintas e repetidos às sextas e aos sábados da mesma semana.

Também fazem parte da Temporada Osesp, concertos a preço popular, matinais gratuitos, ensaios abertos e concertos de câmara com convidados e músicos da Orquestra e do Coro da Osesp e que formam as séries Recitais Osesp, Coro da Osesp e Orquestra de Câmara da Osesp.

TEMPORADA 2017 | MUNDO MAIOR
Faça o download do livro.

Confira a programação completa.

 

Renovação / Novas assinaturas

A aquisição e a renovação de Assinaturas são realizadas apenas pela internet osesp.art.br/assinaturas ou pelo telefone 4003.2052 (de segunda a sexta, das 9h às 18h, exceto feriados).

 

 

Um som no ar, abrigo na hora mais incerta

E o coração nem sabe a quem agradecer,
Na agonia, quem me mostra essa janela aberta
E assim, tão leve, me leva pr’outro mundo –
Um outro mundo, maior e melhor.

 

Franz Schubert/ Franz von Schober, An Die Musik (1817)
Versão de Arthur Nestrovski, Sopro Só (2005)

 

Vivemos em tempos difíceis, “como são todos os tempos”, dizia, madura e serenamente, o escritor Jorge Luis Borges. Qualquer lista sucinta de acontecimentos marcantes já define o tom de nossos dias: atentados terroristas numa escala global sem precedentes; guerra civil e conflitos continuados em vários países do mundo árabe; prolongada crise no Oriente Médio; movimentos migratórios dramáticos, especialmente na Europa; surgimento de partidos de extrema direita, com manifestações de intolerância e preconceito; crises políticas e humanitárias na América Latina; no Brasil, crise financeira e instabilidade política históricas; numa outra dimensão, catástrofes ecológicas mundo afora. E no meio disso tudo, a despeito disso tudo, no fundo contra isso tudo, a música.
                Num contexto desses, só ganham mais pertinência os versos de Franz von Schober, antologicamente musicados por Schubert há exatos 200 anos e que servem de moto para nossa Temporada. “Um outro mundo, maior e melhor.” Talvez não exista, afinal, esse mundo maior e melhor fora da própria música; mas talvez não haja função mais alta para ela do que se manter como é, uma reserva de humanidade e esperança, contra tudo o que conspira para fazer nosso mundo menor. Implícita ou explicitamente, a música assume sempre papel de resistência, concretizada a cada concerto, dia após dia, ano após ano.


Não foram pequenas as dificuldades para se chegar até aqui, nestes tempos que parecem mesmo um pouco mais difíceis do que outros; mas o resultado nos deixa confiantes de que a nova Temporada tem tudo para ser umas das mais memoráveis. Estrutura geral e detalhes dos concertos ¬vêm descritos pouco adiante; mas vale mencionar alguns destaques.
                Ao longo das 32 semanas de assinatura (com três concertos sinfônicos cada), estarão com nossa Orquestra ¬– recentemente aclamada nos três maiores festivais de música da Europa – muitos grandes regentes, solistas e compositores da atualidade. A começar pela diretora musical, Marin Alsop, que rege nada menos do que 30 concertos; e a continuar pela Artista Associada 2016-18, Nathalie Stutzmann, que canta em uma semana e rege na seguinte; pela Artista em Residência, Isabelle Faust, que além de tocar dois concertos diferentes com a Orquestra, faz a integral das Sonatas para Violino e Piano de Beethoven e a integral da Sonatas e Partitas para violino solo de Bach; e pelo grande parceiro da Osesp, Antonio Meneses, que vem celebrar seus 60 anos conosco.
                Receberemos, também, os compositores Unsuk Chin – sul-coreana que dirige uma série de música contemporânea da orquestra Philharmonia de Londres – e Krzyzstof Penderecki, importante figura da composição desde a década de 1960. Vamos tocar e gravar obras de Villa-Lobos, Mignone e José Maurício (com o Coro da Osesp), sem falar nas encomendas a compositores brasileiros da atualidade, incluindo um Concerto para Violino de Celso Loureiro Chaves, no âmbito do projeto SP-LX – Nova Música, em parceria com a Fundação Gulbenkian de Lisboa.
                Teremos um Ato 2 de Tristão e Isolda, regido por Richard Armstrong com formidável elenco, e o War Requiem de Britten, regido por Marin com elenco não menos notável. Debussy será o Compositor Transversal (com obras interpretadas pela Orquestra e em recitais de câmara); e teremos também ciclos dedicados a Haydn, Tchaikovsky e ao tema do Herói. Uma novidade é a série “Osesp 60”: quatro programas com cerca de uma hora de duração, sem intervalo, seguidos de conversa com a plateia. Enfim: muita música, mais de uma centena de concertos, contemplando, como de hábito, os mais variados períodos e estilos, nas mais variadas formações.


Muitas pessoas e instituições contribuem para a realização de uma Temporada dessas. “O coração nem sabe a quem agradecer.” À Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, a nossos patrocinadores, apoiadores e parceiros; aos conselheiros da Fundação Osesp, à diretora musical Marin Alsop, ao diretor executivo Marcelo Lopes e a todas as equipes da Fundação, incluindo os voluntários; aos doadores do Programa Sua Orquestra – que ajudam a manter nossos projetos educativos, abarcando Academia da Osesp, mais de 20 mil crianças e adolescentes que vêm assistir a concertos didáticos e ensaios abertos, e quase mil professores da rede pública de ensino; aos assinantes e público em geral, que mantêm a Sala São Paulo vibrando praticamente o ano inteiro; acima de tudo, a nossos extraordinários músicos e cantores, e aos mais de 60 artistas visitantes: muito obrigado. Essa “janela aberta” faz toda a diferença.  


Arthur Nestrovski
Diretor Artístico

 


 

 

Contato