Temporada 2018
junho
s t q q s s d
<junho>
segterquaquisexsábdom
2829303112 3
45 6 7 8 9 10
11 1213 14 15 16 17
181920 21 22 23 24
2526 27 28 29 301
2345678
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
PRÓXIMOS CONCERTOS
Hector BERLIOZ
Romeu e Julieta, Op.17: Romeu só - Grande Festa na Casa dos Capuletos
Carl Maria von WEBER
Peça de Concerto para Piano em fá menor, Op.79
Francisco MIGNONE
Fantasia Brasileira nº 4
Pyotr Il'yich TCHAIKOVSKY
Romeu e Julieta - Abertura-fantasia
George BENJAMIN
Octeto
Franco DONATONI
Arpège – Para Seis Instrumentos
Eduardo Guimarães ÁLVARES
Bricolage: Homenagem a Mauricio Kagel
Igor STRAVINSKY
Dumbarton Oaks - Concerto em Mi Bemol Maior Para Orquestra de Câmara
Aleksandar RAICHEV
O Bosque do Inverno
Hristo NEDYALKOV
Canção da Amizade
Parashkev HADJIEV
Boa Noite
Melodia BÚLGARA
Radi para Radka falava
Panayot PIPKOV
Tagarela Cotovia
Melodia AUSTRÍACA
Maria costurar
Melodia MEXICANA
Chapanecas
Antonín DVORÁK
Meu Doce Lar
Melodia FRANCESA
Ao findar de mais um dia
Cânone Inglês do Séc.XIII
Chegada do Verão
Melodia NAPOLITANA
Santa Lucia
Hino Acadêmico TRADICIONAL
Gaudeamus igitur
Orlando GIBBONS
Drop, drop, slow tears
Johann Sebastian BACH
A Paixão segundo São João, BWV 245: O grosse Liebe
Luca MARENZIO
Ad una Fresca Riva
Thomas MORLEY
April In My Mistress's Face
Josquin des PREZ
El Grillo
Wolfgang A. MOZART
Ave Verum Corpus, KV 618
Joseph HAYDN
Missa Breve a São João de Deus: Kyrie
Heitor VILLA-LOBOS
Rosa Amarela
O Canto do Pajé
SPIRITUALS
Go down Moses
Deep River
Down by the Riverside
Kenneth LEIGHTON
Crucifixus pro nobis, Op.38: Drop, drop, slow tears
Alfred SCHNITTKE
Concerto para Coro: Ó mestre de tudo o que vive
Gregorio ALLEGRI
Miserere Mei, Deus
Henryk GÓRECKI
Miserere, Op.44: Miserere nobis
Totus Tuus, Op.60
John TAVENER
Canção para Atena
PRAÇA JÚLIO PRESTES, Nº 16
01218 020 | SÃO PAULO - SP
+55 11 3367 9500
Temporada Osesp 2018

A Temporada de concertos da Osesp na Sala São Paulo oferece programas sinfônicos, que contemplam desde o repertório tradicional até composições pouco conhecidas ou mesmo inéditas, de compositores brasileiros e estrangeiros. Também fazem parte da Temporada, concertos corais e de câmara com convidados ou músicos da Osesp.

 

Em 2018, a Temporada, cujo tema é Natureza dos Sons, traz mais de 20 apresentações corais e de câmara e 112 apresentações sinfônicas, sendo 12 inteiramente gratuitas.

 

Nos programas sinfônicos, a sala de concertos é ocupada em sua configuração completa. Nos programas do Coro da Osesp e em recitais especiais, em configuração intermediária. Já nos programas do Quarteto Osesp e demais recitais, em configuração de câmara, com o público no palco, bem próximo dos artistas.


Os concertos sinfônicos costumam ser apresentados às quintas [20h30] e repetidos às sextas [20h30] e aos sábados [16h30] da mesma semana. Mas há também apresentações únicas, em outros dias e horários da semana, além dos tradicionais concertos Matinais, aos domingos [11h00]. Os concertos corais e de câmara, em sua maioria, são apresentados aos domingos [19h00].

TEMPORADA OSESP 2018 | NATUREZA DOS SONS

Faça o download do livro da Temporada 2018 e da Revista Osesp deste ano.

Confira a programação completa aqui.

 

Assinaturas 2018

O período para aquisição de Assinaturas — séries fixas e flexíveis — está encerrado.

 

 

Os ingressos avulsos para toda a Temporada 2018 começarão a ser vendidos no dia 6 de fevereiro.

 


NATUREZA DOS SONS

 

“Minha terra tem palmeiras/ Onde canta o Sabiá.”


    Esses famosos versos, abrindo a “Canção do Exílio” de Gonçalves Dias, guardam uma ironia significativa. O fato é... que o sabiá da palmeira não canta. Essa terra de onde o poeta se sente exilado, portanto, não existe: é um Brasil de sonho, um país da imaginação ou da promessa, do qual sente saudade, não por ter lá vivido, mas justamente o contrário.

     O poema é de 1843. Quase 200 anos depois, pode-se ir mais fundo nessa linha, reconhecendo ali, por um lado, a terra que até hoje não se realizou como deveria, mas, por outro, uma formulação certeira do que nos define do modo mais essencial: pois o que haveria de mais brasileiro no Brasil, senão a natureza e a música?
     Poucas culturas têm riqueza natural como a nossa;
 e poucas também, semelhante patrimônio musical,
 com enorme variedade de gêneros e estilos. Agora, e de modo cada vez mais expressivo, a música clássica ganha espaço nesse contexto. Cada vez mais pessoas cultivam a música de concerto em seu cotidiano, o que só pode ser motivo de alegria, especialmente pelo que representam como quebra de barreiras — culturais, sociais e profissionais.
     É bem verdade, no entanto, que nossa música, tanto quanto nossa natureza, vem sendo ameaçada, de muitos modos, nesse período tão complexo. Cuidar da música, como cuidar da natureza, va-se tornando, mais do que nunca, exercício de convicção: uma prática diária de persistência, em tempos de crise. Mas cá estamos, na companhia de artistas, parceiros, amigos, espectadores. E é neste espírito, então, em nome de todos nós, que a Osesp apresenta sua Temporada 2018: “Natureza dos Sons”.

 

     De março a dezembro, serão 32 semanas de assinatura, com três ou mais concertos sinfônicos cada. Começamos com a Sétima de Mahler, regida pela nossa Diretora Musical, Marin Alsop, em continuidade ao ciclo que ela vem regendo ano a ano.
     Antes disso, na “pré-temporada” da Osesp, em fevereiro, teremos um festival Viva Villa!, para comemorar o término das gravações da integral das 11 Sinfonias de Villa-Lobos, regidas por  Isaac Karabtchevsky, com revisão musicológica das partituras, um verdadeiro legado dessa geração de músicos e pesquisadores da Osesp.
     Ao longo da Temporada, teremos as Nove Sinfonias de Beethoven, regidas por Marin e pela Regente em Residência, Valentina Peleggi, e por sete convidados, incluindo a Artista Associada (2016-18), Nathalie Stutzmann. Também estão programados um ciclo “Rossini — 150 Anos de Morte”, com aberturas, árias e a Petite Messe Solennelle; “Stravinsky Essencial”, com os três grandes balés modernistas — O Pássaro de Fogo, Petruchka e A Sagração da Primavera —, dentre outras peças; e ainda uma “Maratona Mozart”, com os cinco vencedores do concurso Jovens Solistas da Osesp interpretando concertos do mais jovem dos gênios e a Osesp tocando cinco sinfonias, ao longo de uma semana, sob regência de Neil Thomson.
     O Artista em Residência será Emmanuel Pahud, um querido amigo da Orquestra, considerado por consenso um dos maiores, se não o maior flautista do mundo. Além de tocar dois concertos diferentes com a Orquestra, um no primeiro e outro no segundo semestre (quando fará a estreia latino-americana do Concerto de Philippe Manoury — que, por sua vez, será nosso Compositor Visitante), Pahud vai apresentar 
dois recitais solo, em tardes de sábado, antes
 de tocar com a Osesp. Também dará uma masterclass e fará música de câmara, primeiro com o Quarteto Osesp — que volta a apresentar quatro programas na Sala São Paulo — e depois com os sopros da Academia da Osesp.
     Na série “Recitais”, vamos receber alguns dos mais prestigiados pianistas da atualidade, que aparecem também como solistas da Osesp: Gabriela Montero, Pierre-Laurent Aimard e Tamara Stefanovich (fazendo uma verdadeira residência de três semanas, tocando juntos e separadamente), Steven Osborne, Igor Levit e Roger Muraro (que faz a estreia latino-americana de um concerto do compositor português Vasco Mendonça, no âmbito de nossa parceria com a Fundação Gulbenkian de Lisboa). Teremos ainda um pequeno, mas irresistível festival do Piano Brasileiro, com o Duo Gisbranco, Leandro Braga e Cristóvão Bastos, e André Mehmari.
     O Coro fará sua habitual série de cinco concertos a cappella, três dos quais regidos por Valentina Peleggi. Os programas abarcam desde as Vésperas de Rachmaninoff, com ambientação especial no saguão de entrada da Sala, até um programa com música da América Latina dos séculos XVI ao XXI, a cargo da regente venezuelana Maria Guinand, quando ouviremos a estreia de uma peça encomendada a Aylton Escobar, para coro e oboé barroco, sobre textos de Antonio Vieira.
     Outro grande compositor brasileiro, Ronaldo Miranda, vai comemorar conosco seus 70 anos, na estreia de uma peça para soprano (Rosana Lamosa), coro e orquestra (regida por Claudio Cruz). Chegando aos 70, também, o Músico Homenageado será Marcos Thadeu, preparador vocal do Coro da Osesp e Regente Titular do nosso Coro Acadêmico, que ele dirige desde sua criação há cinco anos.

 

     Nada disso seria realizável sem o empenho 
de centenas de pessoas, a começar pelos músicos. Fica aqui nosso agradecimento aos amigos e instituições que contribuem para o sucesso continuado de todas as atividades
da Fundação Osesp — com destaque para a Secretaria de Estado da Cultura e para nossos patrocinadores, apoiadores e parceiros.
     Muito obrigado ao Conselho e a todas as equipes da própria Fundação, sem esquecer os queridos voluntários, e a todos que contribuem para nossas atividades educativas. E nossos agradecimentos, sempre, ao público; são vocês, com seu aplauso, quem justifica, afinal, todo o trabalho.
     Falamos no início de natureza e música. Faltou chegar ao âmago da questão. Pensando bem, não é verdade que todo instrumento pertence ao mundo da natureza? Um instrumento, afinal, produz sons, que são do mundo natural. A cada vez que um músico começa a tocar, entra no domínio da natureza. Dessa perspectiva, não será demais descrever cada obra musical como uma espécie de jardim, ou floresta sonora. E não será demais, também, pedir de cada um de nós aquela atenção vital, que preserva e renova a natureza e a música, e o que mais nos resta.

 

Arthur Nestrovski
Diretor Artístico da Osesp

 

 

 

 

Contato